NOVEMBRO DE 2014

ECONOMIA SOCIAL SOLIDÁRIA: CONCEITOS E FRONTEIRAS

1. As confusões terminológicas em torno da Economia Solidária, da Economia Social e do Terceiro Setor são muitas e motivadas quer pelo modo como são percebidas, quer pelo debate académico que ainda é muito incipiente.

Existem diferenças importantes entre estes três conceitos, ligadas não somente aos diferentes contextos sociopolíticos em que emergiram, mas também a interpretações distintas acerca do papel que estas iniciativas desempenham na sociedade, em relação ao Estado e ao mercado.

Este editorial pretende ser o início de um pequeno contributo da CNIS para ajudar à sua clarificação mas, sobretudo, para ajudar as nossas Instituições a melhor perceberem o seu papel e o seu contributo para a sociedade.

2. Comecemos pelo termo Terceiro Setor, que é herdeiro de uma tradição anglo-saxónica, muito influenciado pela ideia de filantropia.

Esta abordagem identifica o terceiro setor com as organizações sem fins lucrativos (non-profit organizations), juridicamente também conhecido como setor voluntário, e está particularmente ligado ao contexto norte-americano, onde praticamente não existe uma tradição de Estado Social.

Alguns autores definem as organizações do (non-profit sector) como sendo formais, privadas, independentes, não distribuem lucros e devem conter um certo nível de voluntariado. Se acrescentarmos a estas cinco caraterísticas mais duas, de não deverem ser políticas nem confessionais obtemos a classificação de Terceiro Setor conhecida pela sigla International Classification of Non-Profit Organizations (ICNPO)

Em contraste com a noção de Terceiro Setor, tipicamente norte-americana, estão as noções de Economia Social e Economia Solidária que se inscrevem num contexto europeu e estão relacionadas com o movimento associativista operário da primeira metade do século XIX e que se traduziu numa dinâmica de resistência popular.

Desta dinâmica foi emergindo um grande número de experiências solidárias, muito influenciadas pelo ideário do mutualismo, da cooperação e da associação.

Essas iniciativas associativistas, oriundas dos setores populares, recusaram a autonomia do aspeto económico em detrimento das dimensões social, política e cultural. Daí, ficarem conhecidas sob o rótulo de Economia Social.

A fisionomia destas iniciativas vai-se alterando ao longo da história. As ações que realizaram ganharam progressivamente o reconhecimento dos poderes públicos, o que resultou na elaboração de quadros jurídicos que lhes conferiram existência legal.

É nessa dinâmica que aparecem os estatutos das organizações cooperativas, mutualistas e associativas. Essa fragmentação da Economia Social conduziu a que as organizações se isolassem em função dos seus estatutos jurídicos e ao mesmo tempo se integrassem no sistema económico dominante.

As cooperativas inserem-se na economia mercantil, ocupando os “setores de atividade nos quais a intensidade capitalista permanecia fraca” (Laville, 2000) e as organizações mutualistas são quase que integralmente incorporadas na economia não mercantil praticada pelo Estado.

Do ponto de vista interno, esta dinâmica organizacional reflete a mudança no perfil dos quadros que as constituem: os militantes políticos, pouco a pouco são substituídos por profissionais de forte caráter tecno-burocrático. A dimensão técnica ou funcional da organização passa a primar sobre o seu projeto político.

A perspetiva de uma Economia Solidária desaparece, assistindo-se, no seu lugar, ao desenvolvimento de uma Economia Social que, ao longo do século XX, se torna altamente institucionalizada.

3. É justamente em relação às características atuais da Economia Social que se vem demarcar a noção de Economia Solidária. “O que nos leva a defini-la como experiências que se apoiam sobre o desenvolvimento de atividades económicas para a realização de objetivos sociais, concorrendo ainda para a afirmação de ideais de cidadania” (França Filho, 2002).

E continua o mesmo autor: “Defendemos a tese de que se elabora uma outra forma de regulação da sociedade através desse fenómeno (mesmo que ainda de forma modesta hoje), pois ele articula diferentes racionalidades e lógicas na sua ação, com suas múltiplas fontes de captação de recursos”

Nas iniciativas de Economia Solidária existem, ao mesmo tempo, a combinação de uma economia mercantil, não mercantil e não monetária: venda de um produto ou prestação de um serviço (recurso mercantil); subsídios públicos oriundos do reconhecimento da natureza de utilidade social da ação desenvolvida (recurso não mercantil); e trabalho voluntário (recurso não monetário).

Há ainda nesta conceção de Economia Solidária uma outra característica. Trata-se da construção conjunta da oferta e da procura, ou seja, os serviços prestados através das iniciativas de Economia Solidária vinculam-se às necessidades daqueles que deles necessitam.

Bem diferente do que ocorre na lógica da economia de mercado, que funciona na base de uma separação abstrata entre a oferta e a procura.

Como acabamos de constatar, a Economia Social e a Economia Solidária têm uma origem comum, mas a Economia Social foi-se institucionalizando, ou seja assumindo um papel reconhecido e apoiado pelo Estado, à medida que este foi assumindo crescentes funções providenciais. “As iniciativas mais espontâneas, inovadoras e democráticas, mais difíceis de enquadrar institucionalmente, foram ficando de fora e a Economia Solidária tornou-se assim a designação comum destas formas emergentes ou das formas tradicionais não enquadráveis” (Pedro Hespanha).

Esta breve reflexão não pretende mais do que ajudar a clarificar conceitos e a uniformizar a nossa linguagem. Espero, de algum modo, ter contribuído para isso.

Eu sinto-me cada vez mais confortável ao afirmar que as atividades desenvolvidas pelas nossas Instituições se enquadram na Economia Solidária.

Lino Maia

 

Data de introdução: 2014-11-06



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...