ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A Faixa de Gaza, a Síria e os “Media”

Os Meios de Comunicação têm dado um enorme e justificado relevo à tragédia que se abateu sobre a chamada Faixa de Gaza. Justificado, se tivermos em conta, por um lado, o número de vítimas que o conflito já provocou, nomeadamente entre civis, e por outro, a aparente impossibilidade de se implementar um cessar-fogo que atenue a dimensão da desgraça. Ora, acontece que no acompanhamento mediático da situação, Israel aparece como o grande, senão mesmo o único responsável, por esta tragédia.

Já a guerra civil que vem dilacerando a Síria há três anos mereceu, nos primeiros tempos, algum acompanhamento por parte dos “Media”, mas este acompanhamento nunca assumiu contornos de uma enorme preocupação, quer política quer humanitária. Nem mesmo quando o número de mortos e feridos atingiu as dezenas de milhares, nem mesmo quando se multiplicaram as imagens terríveis das destruições, nem mesmo quando cresceu até aos milhões o número de refugiados. O acompanhamento mediático foi diminuindo e hoje, a Síria já é um tema menor no alinhamento dos noticiários.

É certo que as situações não são de todo idênticas. Mas do ponto de vista humanitário, pode dizer-se que uma grande parte do povo da Síria já sofreu tanto ou mais do que a população de Gaza, se é que, há medidas para o sofrimento. Seja como for, a opinião pública internacional já deixou, há muito, de se preocupar com a tragédia que se abateu sobre aquele país. O que aconteceu, e está ainda a acontecer, às comunidades cristãs deste país é apenas o exemplo mais gritante desta indiferença da opinião pública internacional. O mesmo não acontece com os palestinianos.

Muita gente se interroga acerca dos motivos que levaram o Hamas a rejeitar o primeiro cessar fogo proposto pelo Egipto. Custa muito fazer esta afirmação, mas há razões para acreditar que os responsáveis por este grupo radical esperam que quanto maior for o número de vítimas entre os palestinianos, melhor é para a sua causa. As crianças de Gaza pelas quais tanto se chora nos Meios de Comunicação do Ocidente são suas grandes armas na sua guerra contra Israel.

Os judeus têm consciência disso, mas já ultrapassaram o medo das consequências da violência da sua resposta ao Hamas, à espera de que estes venham a aceitar um cessar fogo definitivo. Até lá, muitos mísseis palestinianos continuarão a ser lançados contra Israel, muitos bombardeamentos israelitas continuarão a atingir a Faixa de Gaza, e muitas crianças irão morrer. Até que um dia, e à semelhança do que aconteceu com a Síria, os Orgãos de Comunicação ocidentais, podem correr o risco de também se esquecerem da Palestina. Só que, ao contrário do que aconteceu com os cristãos da Síria, os palestinianos de Gaza parecem a salvo desse esquecimento…

A. J. Silva

 

Data de introdução: 2014-08-08



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...