ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Europa: que futuro?

Muito se disse e se escreveu já sobre as últimas eleições para o Parlamento Europeu e os comentários não variam muito, a não ser os que pecam por demasiada partidarite. A verdade é que, em alguns países como Portugal, os analistas preocuparam-se sobretudo com os efeitos desses resultados na política interna do país, mas o que se pode dizer com segurança é que eles vieram abalar profundamente a construção do chamado projecto europeu. A Europa saiu muito mais fragilizada destas eleições, e este é, certamente, o seu efeito mais preocupante e mais grave.

Os cidadãos da União foram às urnas numa conjuntura claramente negativa para o aprofundamento da construção da Europa. A maior parte desses cidadãos está a sofrer ainda as consequências da terrível crise financeira e económica que, desde 2008, os vem sujeitando a sacrifícios insuportáveis para muitos, e poucos acreditam que o futuro próximo possa ser melhor. Ir a eleições numa altura destas era pois enfrentar um julgamento propício a duras penas, e foi o que aconteceu à maioria dos seus governantes e aos partidos que os apoiavam. Em alguns casos, esse castigo foi ainda mais pesado do que seria expectável.

Mas a fragilidade da Europa de que falamos não tem apenas razões de carácter financeiro e económico. Nos últimos tempos, essa fraqueza vinha-se acentuando claramente ao nível político, sobretudo perante a afirmação da Rússia. O que aconteceu na Ucrânia e na Síria veio confirmar a tese de que a União está longe de ter um peso correspondente às expectativas geradas aquando da sua criação. De ressalvar que esta imagem de fraqueza não diz respeito somente à Europa. É verdade que os Estados Unidos já superaram os efeitos da crise de 2008, mas também é certo que a Casa Branca perdeu grande parte da sua credibilidade no mundo com a evolução dos acontecimentos nesses dois países.

Voltando ao dia 25 de Maio, não será muito arriscado afirmar que os resultados da consulta desse dia vieram enfraquecer ainda mais a imagem da Europa. O crescimento dos partidos eurocépticos ou extremistas significa um golpe profundo no seu prestígio. A dificuldade em encontrar um novo presidente para a Comissão será mais um exemplo da sua impossibilidade de convencer o mundo de que é uma força política suficientemente estável e forte, para se impor. É verdade que a União Europeia ainda não deixou de ser um mito para muita gente, mas também é certo que há cada vez mais europeus a pretender abandonar esse projecto. Os chamados pais da Europa devem revolver-se no túmulo.

A.J.Silva

 

Data de introdução: 2014-06-04



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...