JUNHO DE 2014

Novos caminhos, Valores de sempre

1. As IPSS não são imunes às correntes ideológicas, que determinam ou influenciam a opinião pública. Correntes umas mais da moda, outras mais profundas e duradoiras.
E, também por isso mesmo, estão sujeitas a riscos como o de perder a matriz diferenciadora e identitária em dimensões:
- O espírito de serviço e de militância inerente à fundação e dinâmicas do sector;
- A atração dos valores de mercado (eficácia a todo o custo, rentabilidade, competitividade, redução das pessoas a clientes e ou a capital humano);
- A excessiva dependência do Estado Central e Autárquico, entrando em dinâmicas de clientelismo;
- A concorrência e competitividade individualistas, sem normas e sem orientação, por oposição à relação e cooperação;
- O esquecimento ou a secundarização dos mais carenciados face a necessidades e, ou interesses financeiros.
Como manter o espírito de utopia de vencer a exclusão em nome da justiça social?
Como resistir a uma certa cultura de massas, presente no sistema mediático, no cinema, nas novelas, que põe em causa valores de base como a preocupação com os outros?
Como garantir independência e autonomia face às pressões permanentes dos mercados e dos estados?

2. Pelo oitavo ano consecutivo, depois de fazer percorrer a Chama da Solidariedade pelo interior e Norte de Portugal, a CNIS realiza a sua festa da Solidariedade.
E há razões bem fortes para fazer festa.
No exercício da cidadania, por caridade ou solidariedade, desde a ilha mais ocidental até à aldeia mais pequena e mais longínqua, há muita gente em Portugal a percorrer caminho e a estender a sua mão ao seu companheiro de jornada. Com a consciência de que não é possível nem admissível que cada um continue no seu trilho sem olhar para o que se passa ao lado. Como amigos, colaboradores, dirigentes, fundadores e suportes de Instituições de Solidariedade Social. Todos e envolvendo muitas e muitos.
Ergueram e mantêm creches, infantários, centros de atividades ocupacionais de tempos livres, de convívio, de dia ou de noite, lares e tantas outras respostas sociais e de apoio na ação social, na educação, na saúde e no desenvolvimento local! São milhares de Instituições, muitos milhares de amigos, colaboradores e dirigentes. multiplicados por múltiplos suportes e por muitos mais milhares de pessoas em quem a semente da solidariedade germina na esperança de um devir melhor. Onde e sempre que é preciso fazer despontar sorrisos em rostos carecidos de carícias e de afetos.
E, hoje, entre nós, quantas e quantos são cidadãos mais iguais entre si e com mais esperança e melhores oportunidades nos desafios da vida porque a solidariedade foi e continua a ser usada como dom de vida para uma vida melhor!

3. Enquanto a Chama da Solidariedade anda de mão em mão, a CNIS realiza o seu quinto Congresso. Sob o lema "Solidariedade: novos caminhos, valores de sempre".
Os valores têm uma carga afetiva associada a sentimentos fortes. É certo que uns apelam a uma adesão mais apaixonada que outros, mas todos têm um conteúdo emocional significativo. Também têm uma função prática. Pertencem ao domínio do intangível, dos ideais a que se aspira, mas eles guiam, inspiram, orientam, estimulam juízos, escolhas, opiniões, princípios e ações individuais e coletivas. Levam, muitas vezes, o ser humano a superar-se.
Em tempos de dificuldades acrescidas, a reflexão sobre o intangível, de que fazem parte os valores, pode ser considerado de pouca relevância. Contudo, é nos momentos de crise, em que os bens materiais escasseiam que as razões mais profundas e fortes podem ser resposta para as dificuldades. É preciso ter presente o que dá sentido à vida. O que fundamenta a própria existência humana.
Importa assumir que o modo de ser, de pensar e de atuar das IPSS depende essencialmente dos valores dos que as animam e dirigem. Nelas a inovação não é um fim mas um instrumento. Porque, para elas, o seu caminho é a pessoa humana e os seus valores são a pessoa toda e todas as pessoas.
Exatamente: em plena cultura judaico-cristã, procurando sempre saber onde está o respetivo irmão, de quem se sentem guardadoras (Génesis 4, 9). E, crentes ou não, sabendo que tudo aquilo que fazem a um dos mais pequeninos é ao próprio Cristo que o fazem (Mateus 25, 40). Daí a preocupação por todos e muito especialmente pelos mais carenciados e vulneráveis.
Porque a pessoa está no centro do funcionamento da sociedade e da promoção do bem comum, que é promovido na comunhão e comunicação colaborativa.
Porque toda a pessoa tem expectativas de futuro e sente-se mais pessoa na construção do seu futuro e do futuro dos outros.
Porque cada pessoa, na infinita riqueza da diversidade, é radicalmente una e igual na dignidade, na liberdade e na responsabilidade.

Lino Maia
Junho 2014

 

Data de introdução: 2014-06-03



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...