SEGURANÇA SOCIAL

IPSS dão contributo a Programa de combate à pobreza

O Ministro da Segurança Social, da Família e da Criança, Fernando Negrão, anunciou a intenção de avançar com um novo programa de luta contra a pobreza com o envolvimento das Instituições Particulares de Solidariedade Social IPSS.

O Programa para a Inclusão e Para o Desenvolvimento (PROGRIDE) deverá substituir os anteriores programas de luta contra a pobreza que terminaram no final de 2004 e dar resposta aos problema dos idosos em situação de grande dependência. "Os programas de luta contra a pobreza tinham um limite no fim de 2004, com a possibilidade dos projectos inacabados continuarem durante o ano 2005. Inevitavelmente terá que ser tomada uma nova medida para continuar a lutar contra a pobreza", justificou Fernando Negrão, durante uma visita que efectuou à Misericórdia de Setúbal.

"As IPSS, onde se incluem as Misericórdias e as Organizações Não Governamentais (ONG´s), podem candidatar-se a projectos de apoio a idosos em situações de pobreza", explicou o ministro, assegurando que existem "verbas substanciais" para este programa.

Fernando Negrão justificou a opção por um novo programa de combate à pobreza invocando o resultado de um estudo apresentado na segunda conferência do Banco de Portugal, que dizia que das pessoas que usufruem de pensões mínimas e vivem em agregados familiares só 30 por cento são pobres. "Atirar mais dinheiro para estas realidades é estragar dinheiro", disse o governante, acrescentando que a solução para estas situações, de pessoas em idade muito avançada e em situação de grande dependência, deverá passar por novos programas de luta contra a pobreza.

 

Data de introdução: 2005-01-24



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...