Tsunami pode levar 2 milhões de pessoas à pobreza

O maremoto que varreu em 26 de Dezembro o litoral do Oceano Índico pode gerar dois milhões de novos pobres na Ásia, mas o impacto sobre as economias será fraco, pelo menos na Indonésia, Índia e Tailândia, informa o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD). 

A catástrofe pode ter criado um milhão de novos pobres só na Indonésia, 645 mil na Índia e 250 mil no Sri Lanka. Nas Maldivas, metade da população foi afectada e mais da metade de seus 287 mil habitantes poderá cair na pobreza. 

No relatório do Banco, o economista-chefe, Ifzal Ali, alerta para um "enorme" aumento da pobreza devido aos quase 160 mil mortos calculados até agora. "A pobreza é potencialmente o mais importante efeito deste desastre natural", completa.

No entanto, apesar do efeito devastador da catástrofe sobre a população das regiões afectadas, a resistência da Ásia aos choques externos minimizará o seu impacto no crescimento do conjunto da região. "É um acontecimento terrivelmente trágico para milhões de pessoas, mas as economias dos países afectados podem superá-lo sem grandes danos, excepto nos casos do Sri Lanka e das Maldivas", afirma o economista.

Na Indonésia, Índia e Tailândia, os danos concentram-se nas zonas rurais mais do que nas regiões densamente povoadas e industriais, que são as que geram crescimento económico. Na Indonésia, onde 111 milhões de pessoas vivem com um máximo de dois dólares diários, os danos centraram-se na província de Aceh (noroeste), que só contribui com 2% do PIB nacional. As instalações petrolíferas e de gás localizadas na zona parecem intactas.

Na Índia, as repercussões do maremoto parecem atenuadas pelo gigantesco tamanho do país. Na Tailândia, os danos limitam-se às regiões turísticas do sul, que só representam 3% do PIB. "O maior risco para a economia (da Tailândia) procede da possibilidade de que os turistas percebam o país como um destino pouco seguro, o que então poderia afectar a nação em seu conjunto".

Índia, Indonésia, Malásia e Tailândia estão bem preparadas para enfrentar o choque graças ao forte crescimento registrado desde 2001. "As finanças desses países melhoraram e as suas reservas são elevadas", diz o estudo.

A catástrofe poderá, inclusive, reactivar a actividade económica no longo prazo: "A reconstrução requer novos investimentos que poderão ter um impacto positivo. Todo o investimento pode gerar emprego", recorda o banco, que já percebe "um aumento da procura de produtos e serviços como alimentos, água, medicamentos e materiais de construção". "Consequentemente, é possível que o impacto global seja, de alguma maneira, positivo" no âmbito económico da região, conclui.

 

Data de introdução: 2005-01-18



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...