SAÚDE

Legislação sobre delegados informação médica é para levar a sério

A Inspecção-Geral de Saúde irá processar disciplinarmente os directores dos centros de saúde e os responsáveis dos hospitais onde não esteja a ser cumprida a legislação sobre os delegados de informação médica, segundo fonte do Ministério da Saúde.

A acção da Inspecção-Geral (IGS) decorre desde Outubro e está a fiscalizar a actuação dos delegados de informação médica nos centros de saúde e hospitais para averiguar se a presença destes profissionais estará a prejudicar os utentes.

Trata-se da segunda fase de uma acção que abrangeu um largo conjunto de centros de saúde e que agora se estenderá aos restantes e aos hospitais. Segundo disse fonte do Ministério, os directores dos centros de saúde em que forem identificadas irregularidades serão responsabilizados disciplinarmente pela IGS.
De igual forma, os responsáveis de hospitais onde as situações irregulares se registem serão igualmente processados disciplinarmente por este organismo do Ministério da Saúde. A acção da IGS visa disciplinar a actuação dos delegados de informação médica e garantir que a sua presença nas unidades de saúde não prejudique os utentes.

Vários utentes apresentaram queixas junto dos gabinetes de utente dos serviços de saúde por se sentirem lesados quando, apesar de terem consultas marcadas, são ultrapassados pelos delegados de informação médica, que são mais rapidamente atendidos pelos médicos.

 

Data de introdução: 2004-11-17



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...