SAÚDE

Venda de medicamentos bate recorde

A venda de medicamentos nas farmácias nacionais aumentou, no mês de Agosto, mais de um quarto face a igual período de 2003. Valores que confirmam a tendência de subida do mercado de fármacos verificada nos primeiros oito meses e que, segundo a última monitorização da Associação Nacional de Farmácias (ANF), cifra-se já nos 12,8%.

A notícia vem hoje no Jornal de Notícias a assegura que o aumento de 26,6% do consumo em relação ao ano passado - o valor mais elevado de 2004 - fica a dever-se, de acordo com a ANF, à entrada de novos medicamentos caros no mercado, a reacção da indústria farmacêutica à aposta do Ministério da Saúde nos genéricos, que ultrapassaram, pela primeira vez, a fasquia dos 8% .

Por outro lado, a despesa do Serviço Nacional de Saúde com os medicamentos adquiridos pelos portugueses nas farmácias caiu 3,9 por cento em Outubro, em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo fonte do Instituto da Farmácia e do Medicamento.

Dados da autoridade que regula o sector do medicamento indicam que, em Outubro, a nível regional, a Administração Regional da Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo registou uma descida de 5,80 por cento da despesa, face ao período homólogo de 2003.

Só na sub-região de Saúde de Lisboa, a descida foi de 4,70 por cento, acrescenta o Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento (Infarmed). Na ARS do Norte a despesa com os medicamentos também desceu em Outubro, com uma quebra de 3,09 por cento. Na sub-região de saúde do Porto a quebra foi de 5,40 por cento.

A ARS do Alentejo registou, no mesmo período, uma quebra de 10,09 por cento e a ARS do Algarve uma descida de 7,40 por cento. O crescimento acumulado da despesa do SNS com os medicamentos situava-se nos 9,3 por cento (entre Janeiro e Outubro).

A quota de mercado dos genéricos era de 9,06 por cento em Outubro, em relação a período homólogo de 2003, o valor mais alto alguma vez alcançado, segundo o Infarmed. Entre Janeiro e Outubro deste ano, o crescimento dos genéricos foi de 8,03 por cento. 

Notícia do JN

 

Data de introdução: 2004-11-17



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...