LARES ILEGAIS

Governo quer agravar as sanções para lares clandestinos

O ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares, anunciou hoje a intenção do Governo de rever as sanções que pendem sobre as estruturas residenciais de acolhimento de idosos, agravando as penas para os lares clandestinos. O anúncio surge cinco dias depois do encerramento de dois lares "por perigo iminente para os direitos dos idosos e para a sua qualidade de vida, susceptíveis de colocar em risco a sua integridade física e psíquica". O encerramento dos lares surgiu na sequência de uma reportagem da TVI com imagens de um lar de idosos em Azeitão, Setúbal, que funcionava de forma ilegal e onde cerca de 20 seniores passavam alegadamente fome e frio e recebiam medicação a mais.

O ministro lembrou que o regime de sanções há 15 anos que não é revisto e que este é o momento de mudar a lei "de forma a tornar a sanção mais efetiva, permitindo que exista uma maior capacidade do Estado em encerrar realidades clandestinas que muitas vezes atentam até contra a integridade física dos idosos". Pedro Mota Soares quer "aumentar as sançöes e aumentar as coimas em relação às estruturas ilegais" após ter feito "um aumento da rede" e de um conjunto de propostas "que permitem que os idosos tenham um tratamento, sempre garantindo a qualidade da resposta, sempre garantindo a segurança dos idosos".

ASSOCIAÇÃO DE LARES CONGRATULA-SE COM ANÚNCIO

O presidente da Associaçäo de Lares de Idosos congratulou-se hoje com o anúncio do agravando das penas para os lares clandestinos, mas reiterou a necessidade da Segurança Social ter uma inspeçäo "mais atuante". Joäo Ferreira de Almeida, presidente da Associaçäo de Apoio Domiciliário de Lares e Casas de Repouso de Idosos (ALI), reagiu desta forma ao anúncio do ministro da Solidariedade e da Segurança Social do governo rever as sançöes que pendem sobre as estruturas residenciais de acolhimento de idosos, agravando as penas para os lares clandestinos.

Segundo João Ferreira de Almeida, esta é uma reivindicação antiga da ALI, a par com uma outra: "uma inspecção mais atuante por parte da Segurança Social, nomeadamente junto dos lares clandestinos". "Das 750 inspecções a lares realizadas em 2011, nem 50 por cento foram realizadas a lares clandestinos", lamentou. Para o presidente da ALI, "compensa largamente estar ilegal", pelo que defendeu mais inspecções por parte da Segurança Social e junto de quem maltrata os idosos, como "infelizmente se vai tendo conhecimento quando há notícias terríveis na comunicação social a denunciar as situações".

 

Data de introdução: 2012-12-16



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...