SEMANA SOCIAL 2012

É preciso salvar o Estado Social, diz Lino Maia, presidente da CNIS

O presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), Lino Maia, alertou para a necessidade de "salvar" o Estado social e defendeu a criação de uma "carta de direitos sociais" estruturantes e gratuitos. "É preciso salvar o Estado social", declarou à Lusa Lino Maia, à margem da "Semana Social 2012", que está a decorrer até domingo, no Porto.
Lino Maia disse também que a soluçäo para Portugal näo são os "milagres". "A solução para este país näo são os milagres. Os milagres acontecerão se cada um fizer aquilo que lhe compete, aquilo que pode e aquilo que lhe compete", defendeu, acrescentando que esse é o "caminho".
Na entrevista à Lusa, o presidente do CNIS defendeu a criação de uma carta de direitos sociais. "Julgo que era importante que fosse definida uma carta de direitos sociais. Os direitos sociais são universais. Agora, há direitos sociais que diria que são estruturantes e outros que são coadjuvantes e existenciais", declarou, explicando que os estruturantes "são aqueles que dizem respeito à cidadania: educação e direito à prevenção da saúde".
Segundo Lino Maia, há, depois, os direitos da habitação, emprego e assistência na saúde e sobre esses direitos, cada um deve aceder-lhes com o seu contributo também, segundo aquilo que tem e aquilo que pode (...), para que ninguém fique alheado dos direitos sociais.
O presidente do CNIS assumiu ainda que o envolvimento da Igreja nas respostas sociais deve "claramente" ter um "princípio da subsidiariedade".
Lino Maia defendeu, no Porto, que o problema do Estado social é de "financiamento" e criticou o Estado português por ter despertado para a questão "tarde" e "atabalhoadamente".
A Semana Social 2012, que arrancou hoje, é subordinada ao tema "Estado Social e Sociedade Solidária". Lino Maia foi convidado para uma sessão plenária e o tema que abordou foi "Caridade e solidariedade, papel dos cristãos numa sociedade mais solidária".

 

Data de introdução: 2012-11-23



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...