06 DE OUTUBRO

Festa da Solidariedade em Faro

A Festa começou em Lisboa em Setembro de 2007. No ano seguinte mudou-se para Barcelos. Em 2009 chegou a Viseu. Castelo Branco cumpriu a tradição em 2010. No ano passado, em Santarém, a Festa prolongou-se por dois dias de Maio e incluiu o encerramento do congresso “Rumo Solidário para Portugal” que decorreu em paralelo.
Depois de Lisboa, Barcelos, Viseu, Castelo Branco e Santarém a sexta edição da Festa da Solidariedade vai realizar-se no Jardim Manuel Bívar, em Faro, no dia 6 de Outubro.
O encontro anual de representantes das Instituições Particulares de Solidariedade Social vai decorrer durante a tarde de sábado, num regresso ao figurino tradicional, mostrando, quer na plateia quer no palco, a natureza espontânea do trabalho solidário. A recepção a todos os convidados será feita às 14 horas, antecipando em meia hora a chegada da Chama da Solidariedade. Depois das intervenções e da aclamação da tocha solidária seguir-se-á a animação musical até às 19 horas.
Eleutério Alves é mais uma vez o coordenador da Festa da Solidariedade. O dirigente da CNIS apela à participação das IPSS: “É certo que este ano as instituições do Norte vão ter que vencer maiores distâncias para chegarem ao convívio. Sabemos que é um esforço complicado tendo em conta os tempos difíceis que estamos a atravessar. Mas, é fundamental que as instituições se juntem à Festa. Para mostrar ao país a Solidariedade.”
A Chama da Solidariedade, depois de, no ano transacto, ter navegado nas águas do Tejo, vai até ao Algarve num percurso de três dias. No dia 2 faz a ligação entre Santarém e Évora: No dia 4 de Outubro o facho atravessa o Alentejo entre Évora e Beja. No dia 5 cumpre a última etapa pernoitando já em Faro para ser estrela principal no palco da Festa.

 

Data de introdução: 2012-08-22



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...