INCÊNDIOS

Cáritas lançou campanha para apoiar vítimas do Algarve e da Madeira

A Cáritas Portuguesa está a apoiar as vítimas dos incêndios que estão a atingir a Madeira, o Algarve e o restante território nacional, através da disponibilização de dezenas de voluntários que estão a atuar diretamente no terreno, e com a abertura de uma conta solidária com um donativo de emergência imediato no valor de 20 mil euros. "Abrimos uma campanha de solidariedade a nível nacional, com uma conta no Banco Espírito Santo, que, posteriormente, se a verba aparecer, irá ajudar na reabilitação de casas que ficaram destruídas nos incêndios de Tavira e do Funchal", disse Eugénio Fonseca.

O responsável revelou também que a Cáritas Paroquial do Cachopo e Martinlongo já está a apoiar os bombeiros e as famílias que tiveram de abandonar temporariamente as casas, bem como aqueles que perderam todos os bens com os incêndios na região do Algarve. "Estamos a recolher alimentos para os bombeiros que estão no terreno e, pelos ecos que me chegam da Cáritas algarvia, a população está a corresponder de forma muito generosa, com entregas de leite, sumos e fruta", disse.

Segundo Sérgio Fonseca, os voluntários da Cáritas, através do Centro Social do Cachopo, têm acolhido pessoas que tiveram de deixar as suas casas temporariamente e que ficaram sem as suas habitações.

A ilha da Madeira tem sido fustigada por vários incêndios desde terça-feira. 

Para atender às principais necessidades das vítimas, a Cáritas Portuguesa abriu a conta solidária: “Cáritas ajuda vítimas de incêndios” com o NIB: 0007 0000 00107639446 23, do Banco Espírito Santo, na qual poderão ser efetuados os donativos.

 

Data de introdução: 2012-07-23



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...