SEGURANÇA SOCIAL

Ministro quer reforço do papel das instituições

O governo pretende ver reforçado o papel das instituições de solidariedade social no apoio aos
desprotegidos, uma intenção revelada pelo Ministro da Segurança Social, da Família e da Criança, em Soure, durante a visita às instalações da Associação Portuguesa de Pais e Amigos dos Cidadão Deficiente Mental (APPACDM).

Fernando Negrão justificou a deslocação como um sinal da estratégia do Governo. No entendimento do ministro, "é preciso ter uma política coordenada, e a nível nacional", para todos os carenciados deste tipo de apoio. "Não é só para dar um estímulo a este projecto, mas um sinal de que o Governo quer estimular os que já existem, mas quer que mais gente que precisa de instalações e equipamentos desta natureza sejam abrangidos por eles", salientou.

Para uma rentabilização dos recursos, Fernando Negrão defendeu uma melhor coordenação entre o poder central, as autarquias "e, principalmente, com as associações". É esta a via na prestação do apoio aos carenciados, mas "com um grande sentido de responsabilidade por parte do poder central", para garantir que "os dinheiros das instituições sejam bem geridos, e o serviço prestado ás populações seja da melhor qualidade", sublinhou.

Na deslocação à APPACDM de Soure, município do distrito de Coimbra, o Ministro da Segurança Social, da Família e da Criança celebrou um protocolo de cooperação para apoio domiciliário a dez utentes portadores de deficiência. Fernando Negrão aproveitou também para oferecer à instituição uma carrinha para transporte de 14 crianças e jovens portadores de deficiência mental.

O protocolo, com a vigência de um ano, prevê a transferência do Estado de uma dotação de dois mil euros por mês para que a APPACDM preste apoio domiciliário a dez cidadãos portadores de deficiência, facultando-lhes as refeições, a lavagem da roupa e a limpeza dos lares.

 

Data de introdução: 2004-10-21



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...