Secretária de Estado da Reabilitação inaugura Lar Residencial do CRIA

A Secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação, Idália Moniz, preside, esta segunda-feira, 18 de Junho, à cerimónia de inauguração do Lar Residencial do Centro de Recuperação Infantil de Abrantes, nas instalações do CRIA, na Quinta das Pinheiras, em Alferrarede.

Com capacidade para vinte utentes, dezoito dos quais em regime de permanência e duas vagas para situações temporárias, o Lar Residencial é uma nova valência do Centro de Recuperação Infantil de Abrantes, que irá dar resposta aos casos dos utentes que apresentam um elevado grau de dependência, que perderam os familiares directos e que não tenham quem, na sua residência, lhes garanta o apoio necessário nos cuidados de higiene, saúde e alimentação.

Estão já seleccionados os dezoito utentes que irão integrar o regime de internamento permanente, uma vez que as restantes duas vagas destinam-se a situações de acolhimento temporário, de acordo com as regras previamente estabelecidas pelos Serviços da Segurança Social. Seleccionado está também o grupo de funcionários que irá garantir o funcionamento desta nova valência, nomeadamente dez Ajudantes de Acção Directa e quatro Auxiliares de Serviços Gerais. Contará ainda com uma Terapeuta Ocupacional. O Lar Residencial terá como Directora Adelina Cardoso, Técnica Superior de Serviço Social.

A entrada em funcionamento deste Lar Residencial significou um investimento global de cerca de 550 mil euros. Os custos das obras construção e climatização rondaram os 480 mil euros e o equipamento cerca de 70 mil euros, prevendo-se uma comparticipação financeira da Segurança Social de cerca de 70%.

Promover o conforto, o bem-estar físico e emocional e os cuidados básicos para uma vida saudável, são alguns dos objectivos deste Lar Residencial que contará maioritariamente com pessoas portadoras de deficiência privadas de autonomia de vida. Por outro lado, apostará também em actividades que visem estimular as capacidades de cada utente, a sua autonomia e inserção social.

 

Data de introdução: 2007-06-17



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...