FORUM ABRAÂMICO REPUDIA DISCRIMINAÇÃO E XENOFOBIA

Pelo direito à tolerância e à não discriminação

O Fórum Abraâmico repudia publicamente “todas as propostas, venham elas de onde vierem, que glorifiquem a exclusão, a discriminação e a xenofobia, ou que exaltem a violência e o ódio”.

Num comunicado enviado à Agência Ecclesia no contexto da possível realização, em Lisboa, de um encontro internacional das juventudes nacionalistas europeias, recorda que “são públicas as simpatias destes movimentos pelo nazismo, bem como a sua defesa de políticas de discriminação racial e de combate à imigração”, lembrando o cartaz recentemente exposto na Praça Marquês de Pombal, em Lisboa, onde se lia: “Basta de Imigração, nacionalismo é a Solução”.

O Fórum Abraâmico de Portugal quer reafirmar “que os valores civilizacionais da dignidade humana de todos, da hospitalidade, da abertura ao diferente, não foram apenas duramente conquistados mas continuam a ser uma batalha de todos os dias”, acrescentando que as propostas de racismo e fechamento são “tentações com que, repetidamente, o Ocidente se confronta e que temos que saber derrotar, como estranhas às nossas referências abraâmicas essenciais”. A responsabilidade é de todos , e “quem a ela se opõe em nome de uma etnia, nacionalidade, cultura, ou religião, dá voz aos seus medos e ressentimentos pessoais, mas nega na prática o melhor da tradição que afirma defender”.

O Fórum Abraâmico de Portugal, é uma organização que reúne membros das confissões cristã, judaica e muçulmana, “com o objectivo comum de contribuir para a pacificação, a tolerância e o conhecimento mútuo, defende uma sociedade aberta em que a todos seja reconhecido o direito de apresentarem livremente as suas ideias”.

O encontro foi, durante a tarde, cancelado. O PNR justifica esta decisão "por falta de espaço".

D.Vitalino Dantas, em declarações à Renascença, aponta que "o diálogo deve prevalecer sobre a agressividade e todos têm direito à liberdade de expressão desde que não provoque exclusão".

Fonte: Agência Ecclesia


 

Data de introdução: 2007-04-22



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...