TRABALHO INFANTIL

Situações ilegais diminuíram

A Inspecção-Geral de Trabalho (IGT) detectou em 2005 oito casos de menores em situação laboral ilegal, metade dos sinalizados em 2004, segundo um relatório divulgado.

Em 2004, na sequência de 11.755 visitas de fiscalização foram sinalizados 16 casos e em 2005 o número desceu para oito, apesar de terem sido feitas mais visitas (12.142).

Só no último trimestre de 2005, a IGT sinalizou seis empresas que infringiram a lei laboral ao ter ao seu serviço menores de 16 anos e sem a escolaridade obrigatória. O código de trabalho determina que só pode ser admitido no mercado de trabalho o menor que tenha completado a idade mínima de admissão (16 anos) e que tenha concluído a escolaridade obrigatória de
nove anos.

Ainda segundo o código de trabalho, o empregador deve submeter o trabalhador menor a exames médicos para garantia da sua segurança e saúde, nomeadamente um exame de saúde que certifique a capacidade física e psíquica adequada ao exercício das funções, a realizar antes
do início da prestação do trabalho, e um outro anualmente.

O relatório da IGT, referente ao quarto trimestre de 2005 e divulgado pela União Geral de Trabalhadores, indica que neste período foram realizadas 4.328 visitas a empresas consideradas de risco pela ponderação dos dados da actividade inspectiva (sector, número de trabalhadores, situação económico-social).

Na sequência daquelas visitas, que abrangeram 53.899 trabalhadores, foram detectadas seis infracções em seis empresas, duas delas relativas à idade mínima de admissão e um caso de falta de exame médico antes da entrada ao serviço do trabalhador menor.

A inspecção detectou ainda dois casos de menores de 17 anos sem a escolaridade obrigatória ou qualificação profissional, bem como um caso de trabalho nocturno, quando a lei diz que um menor de 16 anos não pode efectuar trabalho nocturno entre as 20:00 e as 07:00.

Numa nota informativa, a UGT refere que o trabalho de menores é uma problemática que merece toda a atenção, especialmente porque são situações de difícil avaliação e verificação dado a existência de muitas variáveis associadas.

 

Data de introdução: 2006-04-05



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...