MINISTRA SOLIDARIEDADE

Apoio extraordinário de 60 euros começou a ser pago

O apoio de 60 euros ao cabaz alimentar às cerca de 298.500 famílias que recebem prestações sociais mínimas começou a ser pago esta quinta-feira, disse fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

"Hoje começou a ser pago o apoio extraordinário de 60 euros às cerca de 298.500 famílias beneficiárias de uma prestação social mínima", afirmou à Lusa o gabinete da ministra Ana Mendes Godinho.

Em julho, o apoio foi pago aos beneficiários da tarifa social de energia, "abrangendo assim, entre julho e agosto, 1 milhão e 70 mil agregados familiares", salienta o ministério.

De acordo com o gabinete, este apoio representou até ao momento um total de cerca de 128 milhões de euros.

Ana Mendes Godinho disse em 11 de agosto que a segunda tranche do apoio ao cabaz alimentar já tinha sido paga e admitiu avaliar o seu prolongamento no conjunto de medidas que serão discutidas em setembro.

"Relativamente ao [apoio ao] cabaz, aproveito para partilhar que a segunda tranche já foi paga, abrangendo mais de um milhão de pessoas", referiu Ana Mendes Godinho na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros.

Questionada sobre se o Governo está disposto a prolongar novamente o apoio, tendo em conta a subida da inflação, a ministra respondeu que "essas medidas serão avaliadas no conjunto das medidas que serão discutidas em setembro". 

Fonte oficial do gabinete esclareceu depois à Lusa que o apoio de 60 euros ao cabaz alimentar destinado a famílias mais vulneráveis foi pago no dia 21 de julho aos beneficiários da tarifa social da eletricidade, indicando que em agosto o apoio será pago "no dia 21 ou 22" a quem recebe prestações sociais mínimas. 

Este apoio tinha sido pago pela primeira vez em abril e maio com vista a atenuar o aumento dos preços dos bens alimentares, mas acabou por ser prolongado.

 

 

Data de introdução: 2022-08-25



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...