COVID-19

Idosos com mais de 80 anos e residentes em lares vão receber reforço da vacina

Os idosos com mais de 80 anos e os residentes nos lares vão ser vacinados com a segunda dose de reforço da vacina contra a covid-19, num processo que se inicia na próxima segunda-feira, anunciou a Direção-Geral da Saúde (DGS).

"A vacinação nas Estruturas Residenciais para Idosos (ERPI) inicia-se já na segunda-feira e as pessoas com mais de 80 anos começarão a ser vacinadas durante a próxima semana, nos centros de vacinação ou nos centros de saúde", adiantou a DGS em comunicado.

De acordo com a mesma fonte, as pessoas com mais de 80 anos serão convocadas por agendamento local, através de mensagem SMS ou chamada telefónica, como já aconteceu noutras fases da vacinação contra a covid-19.

Segundo a DGS, a Comissão Técnica de Vacinação Contra a Covid-19 (CTVC) da DGS recomendou esta toma da segunda dose de reforço, com o "objetivo de melhorar a proteção da população mais vulnerável, face ao atual aumento da incidência de casos em Portugal". 

A população elegível para esta vacinação é de cerca de 750 mil pessoas, que devem ser vacinadas com um intervalo mínimo de quatro meses após a última dose ou após um diagnóstico de infeção por SARS-CoV-2, ou seja, este "reforço abrange também as pessoas que recuperaram da infeção", avançou o departamento liderado por Graça Freitas.

A DGS anunciou ainda que as crianças e jovens entre os 12 e 15 anos com condições de imunossupressão, no âmbito da norma publicada sobre esta matéria, também passam a ser elegíveis para receber uma dose adicional de vacina, na sequência de um parecer favorável da CTVC.

"Os jovens com estas condições serão vacinados de acordo com orientação e prescrição médica", informou a direção-geral.

 

Data de introdução: 2022-05-13



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...