HUMANITAS – FEDERAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFICIÊNCIA MENTAL

Petição para a criação do Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual

Consciencializar a sociedade e dar visibilidade à deficiência intelectual é o grande propósito da proposta de criação do Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual, lançada pela Humanitas – Federação Portuguesa para a Deficiência Mental.
A Federação, dando expressão aos cidadãos com deficiência intelectual, suas famílias, seus cuidadores formais e informais, considera pertinente a criação do Dia Nacional da Pessoa Deficiência Intelectual, a celebrar anualmente no dia 10 de maio.
Para alcançar tal desiderato, a Humanitas lançou uma petição pública no sentido de angariar, pelo menos, 7.500 assinaturas, a fim de que a mesma seja discutida pelo plenário da Assembleia da República.
A data escolhida e proposta para o Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual é o dia 10 de maio, o mesmo que em 2022 a Federação pretende entregar as assinaturas recolhidas ao presidente da Assembleia da República.
Tudo começou no passado dia 9 de dezembro, por ocasião da celebração de duas efemérides, muito importantes para a área da deficiência intelectual: o 20º aniversário da Humanitas e o 50º do lançamento, pela ONU, da primeira Declaração dos Direitos das Pessoas com Deficiência Intelectual.
“Assinalar estas duas datas foi o que nos levou a pensar em criar o Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual. E porquê? Porque este é um período, na área da deficiência intelectual, muito interessante e que é importante relevar”, começou por justificar, Helena Albuquerque, presidente da Humanitas.
Ora, se na primeira metade do século XX a prática usual era as famílias desistirem das pessoas com deficiência intelectual e depositarem-nas em instituições, logo, longe dos olhos, longe do coração, já a partir dos anos 1960 os pais decidem assumir a condição dos filhos e reivindicar os devidos direitos destas pessoas. A primeira expressão desse movimento em Portugal foi a criação da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Lisboa, em 1962.
“Esse movimento parental espalhou-se por todo o país. Primeiro, com a criação das APPACDM, depois com as primeiras cooperativas, como a Fenacerci, e a perceção dos pais era muito: ‘Nós é que sabemos o que é melhor para os nossos filhos’. É, por isso, que começam a formar-se as associações de pais”, conta a presidente da Humanitas, prosseguindo: “Esta perceção foi sendo alterada e o paradigma é completamente alterado. Já não são os pais que sabem o que é melhor para as pessoas com deficiência, mas são as próprias pessoas com deficiência que dizem, fazem sentir e expressam o que é melhor para elas”.
Porém, isto levanta alguns obstáculos, pois nem todas as deficiências permitem que tal aconteça, nomeadamente a deficiência intelectual.
“Em algumas deficiências é natural e perfeitamente enquadrável que as pessoas tenham expressão na primeira pessoa, mas na deficiência intelectual isto veio reforçar alguns traços específicos da deficiência intelectual que agora são mais visíveis. Nomeadamente, a sua invisibilidade, porque não é visível, não é audível e não se consegue representar na primeira pessoa. Não em todos os casos, mas na maior parte, porque associada à deficiência intelectual, em muitos casos, há certas características da comunicação que impedem essas pessoas de exteriorizarem os seus quereres, sentires, etc.”, argumenta Helena Albuquerque, explicando porque é importante criar-se um dia nacional da pessoa com deficiência intelectual: “Neste sector, sente-se, cada vez mais, que precisamos de espaços só nossos. É necessário sensibilizar a sociedade e dinamizar algumas iniciativas que foquem os problemas específicos da deficiência intelectual. E é por isto que resolvemos lançar a petição para a criação desse dia, pois sentimos que urge criar espaços próprios onde se analise, discuta e aprofunde temáticas específicas da deficiência intelectual. Dar-lhe voz é, cada vez mais, premente nesta sociedade consumista e supérflua em que tudo o que não se vê não é importante”.
Para a presidente da Humanitas, “é preciso dar a conhecer a deficiência intelectual, para que as pessoas a conheçam e assim a possam perceber”, porque “as pessoas conseguem sentir o que é uma pessoa não andar, o que é uma pessoa não ver, mas não consegue sentir uma pessoa com deficiência intelectual e isto gera afastamento, que, naturalmente, origina segregação social”.
E é isto que a Humanitas quer combater com a criação do Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual.
A recolha de assinaturas iniciou-se logo no dia 9 de dezembro e tem decorrido a bom ritmo.
“A primeira fase de todo este processo é a preparação e dinamização da sociedade civil em geral para aderir a este nosso projeto. A primeira etapa foi dinamizar as nossas cerca de 40 associadas, para além de outras instituições que já se associaram ao projeto. No fundo, é fazer sentir à sociedade civil a importância de criar este dia nacional”, explica Helena Albuquerque, acrescentando: “A segunda fase é a apresentação de, pelo menos, 7.500 assinaturas. Estamos a recolher assinaturas via online e na recolha direta através das nossas associadas e dos pais, que têm as fichas para poderem fazer a recolha, que é na via que temos apostado mais. Temos ainda uma ação virada para as organizações que queiram associar-se à nossa causa a quem apenas pedimos o logótipo para figurar na listagem dos apoiantes”.
A intenção da Humanitas é fazer a entrega simbólica, no dia 10 de maio, das assinaturas recolhidas ao presidente da Assembleia da República.
E se as duas fases iniciais são “muito importantes”, a terceira fase não o é menos, ou seja: “O que é que vamos fazer deste dia?”, refere a presidente da Humanitas.
“O que vamos fazer é aproveitá-lo bem para chamar a sociedade em geral para conhecer melhor a deficiência intelectual e para discutir alguns assuntos específicos da área”, sustenta.
Assine já a petição AQUI.

Pedro Vasco Oliveira (texto e foto)

 

Data de introdução: 2022-03-16



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...