FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES PORTUGUESA DE PARALISIA CEREBRAL

Rui Coimbras é o novo presidente e garante continuidade e ambição até 2025

Rui Coimbras é o novo presidente da Federação das Associações Portuguesas de Paralisia Cerebral (FAPPC), sucedendo a Abílio Cunha, que liderou a organização entre 2014 e 2016, por renúncia da, então, presidente Eulália Calado, e depois entre 2016 e 2021, por eleição dos pares.
O novel presidente da FAPPC pretende dar continuidade ao trabalho feito pela Direção anterior, na qual ocupou a vice-presidência, mas também com “ambição” renovada.
“Queremos consolidar o que de bom e relevante foi feito neste último mandato, mas também temos uma ambição, realista, de avançar para novos patamares”, referiu na tomada de posse que se seguiu ao ato eleitoral, ocorrido no final de novembro, no Centro Dr. José Azeredo Perdigão (da Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa).
“Não posso deixar de destacar um nome de uma equipa que acho excelente”, começou por dizer acerca da anterior equipa diretiva, acrescentando: “A experiência e a capacidade de diálogo e de liderança do Abílio Cunha devem nesta ocasião ser realçadas”.
Sobre o futuro, Rui Coimbras sublinhou a total cobertura territorial da nova equipa e o trabalho importante de todos os que trabalham na área da paralisia cerebral.
“Temos uma equipa de dirigentes que representa o país todo, continente e ilhas, com pessoas interessadas, capacitadas e com vontade de continuar o trabalho até hoje desenvolvido. O sucesso do trabalho da FAPPC divide-se por todos. Por aqueles que hoje aqui estão, mas também por todos quantos desde há muitos anos assumiram a defesa dos direitos das pessoas com paralisia cerebral”, destacou Rui Coimbras, realçando: “Hoje o que esta Direção recebe é o resultado do trabalho que todos fizeram. E, por isso, a nossa imensa responsabilidade é continuar o que vem de trás, enriquecendo-o ainda mais”.
O novo presidente da FAPPC considera que a instituição “só será aquilo que as associadas querem que seja” e, nesse sentido, deixou um agradecimento por toda a colaboração e desafiou as 18 associadas a continuarem a encarar a Federação como uma parceira.
“Quero continuar a aprofundar o trabalho de equipa que tem vindo a ser feito nestes últimos anos, a partilhar conhecimento, a criar espaço de debate e a assumir projetos conjuntos”, referiu Rui Coimbras, lembrando que tal desiderato só se alcança “com a colaboração de todos os profissionais e direções que trabalham em cada uma das associadas, dando o seu melhor em prol da paralisia cerebral”.
Quanto a “promessas”, apenas uma: “Se há algo que aprendi com o trabalho muito próximo com o presidente cessante, é que só podemos estar disponíveis para ser parte da solução e nunca parte dos problemas”.
“Até 2025 há vasto mandato para cumprir, com imensos desafios e tantos outros ainda por descobrir e com os quais nos vamos defrontar”, afirmou.
Abílio Cunha, que participou no encontro por via digital fez um breve balanço dos mais recentes anos da Federação e destacou algumas conquistas alcançadas: “Fizemos muito, sempre em parceria com as associadas. Conseguimos consolidar a imagem e a intervenção da FAPPC junto dos organismos e da sociedade. Agora, com nova equipa de dirigentes, é tempo de continuar com este percurso, sempre realista e centrado na promoção de direitos e na defesa de todas as pessoas com paralisia cerebral, seus familiares e cuidadores”.
Os novos órgãos sociais para o quadriénio 2021-2025 são compostos da seguinte forma:
Conselho Geral
Presidente - Joaquim Teixeira (Associação de Paralisia Cerebral de Faro); vice-presidente - Maria Filomena Araújo (Associação de Paralisia Cerebral de Viana do Castelo); secretários - Armando Torrinha (Associação de Paralisia Cerebral de Viseu), Cristina Andrade (Associação de Paralisia Cerebral da Madeira) e Helena Carona (Incluir - Associação para a Inclusão do Cidadão com Necessidades Especiais).
Direção
Presidente - Rui Coimbras (Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa); vice-presidente - Luís Carlos Isidorinho (Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal); tesoureiro - Teresa Mano da Costa (Associação de Paralisia Cerebral de S. Miguel); secretário - Gil Tavares (Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra); vogais - Maria Teresa Godinho (Associação de Paralisia Cerebral de Évora), Ana Cristina Sousa (Associação de Paralisia Cerebral de Viseu) e Fábio Guedes (Associação do Porto de Paralisia Cerebral).
Conselho Fiscal
Presidente - Fernando Oliveira (Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra); vogais - Paulo Jorge Teixeira (Associação de Paralisia Cerebral de Faro) e José Joaquim Alvarelhão (Associação do Porto de Paralisia Cerebral).

 

Data de introdução: 2022-01-12



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...