DESAFIO PARTIU DO BRAGANÇA SHOPPING E REUNIU 13 INSTITUIÇÕES DO DISTRITO

IPSS transmontanas unem-se para construir presépio

É estranho e confuso o tempo que vivemos e com a época natalícia à porta ainda é exigido a toda a gente que não conviva, não partilhe e, de certa forma, que se feche sobre si próprio.
Apesar das restrições e constrangimentos, com o Natal a chegar, época por excelência da família, da partilha e da solidariedade, ainda há gestos e iniciativas que evocam esses valores, também eles tão integrantes do código genético das IPSS.
E se o Natal é tempo de sentimentos e emoções, também o é de símbolos que há muito povoam o imaginário coletivo.
Do pinheiro às grinaldas, do azevinho à estrela, o presépio é, com certeza, o elemento mais marcante da época, ou não fosse ela de celebração do nascimento de Jesus.
Num país maioritariamente católico, o presépio é presença obrigatória em todas as casas, representando a devoção Àquele que “nasceu para nos salvar”.
Ora, apesar deste tempo estranho e confuso, como dissemos, um conjunto de IPSS do distrito de Bragança reuniu-se (à distância física, mas em união de espírito) e construiu um presépio que agora pode ser apreciado no Bragança Shopping, bem no centro da capital transmontana.
O desafio da estrutura comercial foi lançado à Diocese de Bragança Miranda, que a endossou à União das Instituições Particulares de Solidariedade Social do Distrito de Bragança (UIPSSDB) e foi prontamente aceite.
Segundo Paula Pimentel, presidente da UIPSSDB, as IPSS decidiram aceitar este repto com o intuito de “devolver a fé e a esperança, criar um cenário de alegria e de confiança de que vamos ultrapassar o momento difícil que vivemos”.
E apesar de todos os constrangimentos temporais e de recursos fizeram as instituições olhar para trás, tendo 13 IPSS do distrito aceitado o desafio.
“Tínhamos duas semanas para elaborar o projeto e construir o presépio, mas mesmo assim não consegui dizer que não. Se não fosse possível com todas as IPSS, pelo menos a Fundação Betânia faria, até porque no ano passado ganhámos o primeiro prémio do concurso do município”, refere Paula Pimentel, também presidente da Fundação Betânia, que acrescentou: “Fizemos o contacto com todas as associadas para fazer o convite, a que algumas responderam. Muitas disseram que não podiam, até porque estavam a trabalhar em equipas espelho ou com pessoal em isolamento profilático, mas houve outras que, não podendo, se disponibilizaram a dar apoio moral”.
Depois do Centro Social Paroquial Santo Condestável sugerir a maquete de um presépio, que disponibilizou para servir de modelo, até porque o tempo era apertado e não havia necessidade de perder mais na escolha do modelo a seguir, o processo foi sendo agilizado para que na data prevista tudo estivesse pronto.
Por sorteio foram atribuídas as peças a elaborar por cada instituição e dadas instruções mínimas.
“As únicas indicações que demos foram as medidas das peças, as cores a utilizar, que são o dourado e o cinza, e que queríamos imagens sem rosto e discretas”, conta a líder da UIPSSDB, que revela ter havido total liberdade para a utilização de materiais: “Cada instituição utilizou o que tinha e os recursos que tinha disponíveis. Assim, foram utilizados espuma, papel, arame, palha, ráfia, madeira”.
Na verdade, olhando ao produto final, parece que toda a gente tinha um guião muito concreto e que seguiu, mas foi tudo obra do espírito natalício.
“Para já, o feedback que temos tido das pessoas que visitam o presépio é que parece que foi todo feito pela mesma equipa e num só lugar”, sublinha, satisfeita, Paula Pimentel, acrescentando: “Houve muito trabalho de equipa e uma sintonia total. No meio disto tudo, há sempre instituições que têm muita dificuldade em se coordenar, aceitar e concordar, mas esta iniciativa foi um verdadeiro projeto de equipa e com muita união à mistura”.
Mariema Gonçalves, diretora do Bragança Shopping, “é um prazer imenso o shopping ser o palco que acolhe este presépio com estes sentimentos e emoções todas envolvidas”.
Quanto ao resultado final, a responsável pela superfície comercial é perentória: “Esperamos sempre o melhor e sabíamos que as IPSS estariam a preparar algo grandioso, porque fomos conversando ao longo do processo e sabíamos que viria algo grandioso, como está à vista. O presépio está lindíssimo e, se analisarmos os materiais utilizados na elaboração do presépio, vemos que é extraordinário. Para nós, é muito importante termos este presépio que é muito mais do que um presépio, pois representa tudo aquilo que o Natal tem, ou seja, a união, a partilha, a amizade, a solidariedade e o amor”.
Na construção do presépio, a cargo de utentes (idosos e crianças) e trabalhadores, participaram IPSS de Alfândega da Fé (Fundação Cónego Manuel Joaquim Ochoa), de Bragança (Associação de Pais e Amigos do Diminuído Intelectual, Associação de Socorros Mútuos dos Artistas de Bragança, Associação Sócio-cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes, Centro Social de Santa Clara, Centro Social S. Pedro de Serracenos, Centro Social Paroquial de Santo Condestável, Centro Social Paroquial dos Santos Mártires, Fundação Betânia, Obra Social Padre Miguel e Santa Casa da Misericórdia de Bragança), de Macedo de Cavaleiros (CERCIMAC) e de Mirandela (Centro Social Paroquial Nossa Senhora do Amparo).

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2020-12-10



















editorial

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

O Orçamento do Estado não era propriamente a questão, mas foi a oportunidade para dar por concluída a missão da “geringonça”… Já se previa!

inquérito

Como avalia o acordo de cooperação 2021-2022 que a CNIS assinou com o governo?

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A pobreza em Portugal
Estatísticas oficiais da União Europeia recentemente divulgadas dizem que a taxa de risco de pobreza dos idosos no nosso País subiu de 20,2% em 2019, para 21,4% em 2020. Nas...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

De Glasgow até às IPSS
Em Glasgow, na Escócia, de 31 de outubro a 12 de novembro, cerca de duas centenas de líderes e representantes estiveram reunidos, essencialmente, para verem como dar continuidade...