PLATAFORMA DATALABOR COM PARTICIPAÇÃO DA CNIS

Para se saber mais sobre o mundo do trabalho e da proteção social

A nova plataforma DataLABOR, uma iniciativa de universidades, empresas e do terceiro setor vai agregar dados do trabalho e proteção social, segundo um comunicado.

Esta ferramenta, que "irá dar contributos para a formulação de políticas públicas" pretende apoiar "respostas aos efeitos da pandemia da covid-19, proporcionando a empresas, organizações sindicais ou ao terceiro setor informação necessária à gestão, tomada de decisões e formulação de estratégias", lê-se na mesma nota.

A plataforma é uma iniciativa do CoLABOR, Laboratório Colaborativo para o Trabalho, Emprego e Proteção Social criado por oito entidades: o Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, o Instituto de Direito Económico, Financeiro e Fiscal da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, o ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa, a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade -- CNIS, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a Delta Cafés, o grupo Sonae e a Mota-Engil.

Manuel Carvalho da Silva, coordenador do CoLABOR, explicou, citado no mesmo comunicado, que se trata "de uma plataforma inovadora que agrega dados estatísticos e jurídicos com o objetivo de simplificar o acesso a dados nacionais e internacionais sobre trabalho, emprego e proteção social".

A iniciativa resulta da colaboração entre o ensino superior, grandes empresas e o terceiro setor e "constitui um contributo da sociedade civil para a reflexão e para um debate público mais amplo, informado e aprofundado", acrescentou o responsável.

"A DataLABOR vem colmatar uma lacuna existente na disponibilização de dados sobre o mundo do trabalho e da proteção social, relacionando dados e legislação de forma a informar as políticas públicas e a apoiar a tomada de decisão de entidades privadas e associativas, numa lógica de ação e prospeção", adiantou ainda Manuel Carvalho da Silva.

 

Data de introdução: 2020-11-12



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...