SINDICATOS

CGTP quer aumento do Salário Mínimo Nacional para 400 euros

A CGTP reivindicou o aumento do Salário Mínimo Nacional para 400 euros, a partir de 1 de Janeiro do próximo ano, por considerar que este valor permitiria recuperar algum poder de compra a quem o aufere. Actualmente o Salário Mínimo Nacional (SMN) é de 374,6 euros.

A proposta da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) equivale a um aumento de 6 por cento (25 euros) e, a ser aceite pelo Governo, teria impacto directo sobre cerca de 400 mil trabalhadores. O impacto indirecto deste aumento beneficiaria muitos milhares de trabalhadores que ganham salários ligeiramente acima do SMN, disse o secretário-geral da CGTP, Manuel Carvalho da Silva, em conferência de imprensa.

O SMN serve também de referência para as pensões mínimas do regime contributivo da segurança social (do regime geral, agrícola e social), que abrangem cerca de um milhão e 800 mil pensionistas. Carvalho da Silva lembrou que o SMN se desvalorizou nos últimos três anos relativamente aos salários médios e disse que o valor reivindicado pela sua central sindical é perfeitamente possível de aplicar, desde que o Governo tenha vontade política de o fazer.

Para o sindicalista, a fixação do SMN nos 400 euros seria um indicador da evolução dos rendimentos dos portugueses e poderia ser um factor estratégico para aumentar a procura interna, melhorando a economia.

31.08.2005

 

Data de introdução: 2005-09-13



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...