DIA DA CNIS

Presidente da República presente na celebração de 15 de janeiro

O Dia da CNIS, que se celebra a 15 de janeiro, vai contar, em 2018, com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. A vontade de estar presente já terá sido confirmada ao líder da Confederação das Instituições de Solidariedade, padre Lino Maia.
Os órgãos sociais da Confederação estiveram reunidos em Fátima, no início deste mês, para definirem o figurino das celebrações do 15 de janeiro e para discutirem a adesão à Confederação da Economia Social Portuguesa (CESP).
Foi deliberado que o 37º aniversário será comemorado em Fátima e terá como convidados os membros de todos os órgãos sociais da CNIS, presidentes das Uniões Distritais e Federações associadas, elementos do Centro de Estudos, e muitos representantes de IPSS, bem como convidados especiais. Esperam-se mais de 300 pessoas oriundas de todo o território nacional.
O programa do Dia da CNIS está praticamente concluído, incluindo, de manhã, uma conferência sobre “valores e identidade da solidariedade”, com personalidades de renome nacional, onde serão abordados temas como autonomia e a cooperação no mundo social solidário.
À tarde haverá uma sessão de esclarecimento sobre a adesão da CNIS à CESP, dando cumprimento à última decisão da Assembleia Geral Extraordinária, de novembro. A discussão e votação final será feita em AG Extraordinária, em Março.
A CNIS, Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, faz 37 anos no dia 15 de Janeiro de 2018. É um momento importante para a organização que congrega a maioria das IPSS portuguesas.
Lino Maia recorda que “a União das IPSS começou com muita gente, hoje é muito mais, a que está na CNIS, mas o espírito de comunhão mantém-se. São 37 anos em que muitos, e muito bem, se deram a este mundo da solidariedade social. Em nenhum outro país encontramos tanta gente e tão empenhada na solução dos problemas da comunidade”.

 

Data de introdução: 2017-12-07



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...