MAIORES DE 65 ANOS

Quedas são o acidente doméstico mais frequente e principal causa de morte

As quedas são o acidente doméstico mais frequente nos idosos e a principal causa de morte acidental na população dos maiores de 65 anos, conclui um estudo que será apresentado na quinta-feira, em Aveiro.

Esta investigação, a que a Lusa teve hoje acesso, será um dos temas em destaque na 2.ª Reunião Nacional do Núcleo de Estudos de Geriatria, da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI), que se realiza quinta e sexta-feira, no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro.

Segundo Lia Marques, assistente hospitalar de medicina interna, "as quedas ocorrem em 35 a 40% das pessoas com 65 anos e em mais de 50% da população com mais de 80".

A investigadora alerta para "as complicações graves" que podem resultar dessas quedas, como "a perda de autonomia e a imobilidade".

"Sabemos que 5% a 25% das quedas na população idosa se complicam com lesões graves, como fraturas ou traumatismo craniano; 50% condicionam internamento hospitalar e, destes internamentos, 40% terminam na institucionalização do idoso por perda de autonomia", sublinha Lia Marques.

Apesar de a sua incidência aumentar com a idade, os especialistas sabem que as quedas se devem a fatores de risco que estão bem definidos, "muitos dos quais corrigíveis, o que faz com que as quedas na população idosa tenham um grande potencial de prevenção".

A investigadora defende que "devem ser implementados instrumentos de rastreio para identificação do risco de queda e avaliação complementar para controlo de cada um dos fatores de risco individuais para queda. Fatores de risco extrínsecos para queda como trajetos mal iluminados ou a presença de obstáculos no percurso dos doentes podem ser facilmente corrigidos".

Do programa da 2.ª Reunião Nacional do Núcleo de Estudos de Geriatria faz ainda parte a prevenção cardiovascular no idoso que, de acordo com a organização do evento, "passa pelo rastreio e tentativa de modificação dos fatores de risco cardiovascular tais como a dislipidémia, a obesidade, o sedentarismo, a hipertensão arterial, a diabetes mellitus ou o tabagismo". 

 

Data de introdução: 2017-11-15



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...