IMIGRAÇÃO

Declarações de Jardim contra chineses e indianos causam repúdio

O Alto-Comissário para a Imigração e Minorias Étnicas (ACIME), António Vaz Pinto, repudiou as declarações do presidente do Governo Regional da Madeira sobre os imigrantes chineses e indianos, considerando-as "claramente ofensivas e discriminatórias".

Em comunicado, o também presidente da Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR) não exclui a possibilidade desta entidade tomar iniciativas e considera que as declarações de Jardim "violam o princípio da igualdade consagrado na Constituição Portuguesa e a recente legislação".

No domingo, no encerramento da festa "48 horas a bailar", em Santana, Alberto João Jardim manifestou-se contra a entrada de imigrantes chineses, indianos e dos países da Europa de Leste na ilha da Madeira.

"Portugal já está sujeito à concorrência de países fora da Europa, os chineses estão a entrar por aí dentro, os indianos a entrar por aí dentro e os países de leste a fazer concorrência a Portugal", afirmou o presidente do Governo Regional da Madeira. Confrontado com um sinal de uma pessoa entre a assistência, o líder madeirense respondeu: "Está-me a fazer um sinal porquê? Estão aí uns chineses? É mesmo bom para eles ouvirem porque eu não os quero aqui".

António Vaz Pinto, em comunicado, considera que "as referidas declarações são claramente ofensivas e discriminatórias para os membros da comunidade chinesa, legalmente residentes e exercendo legitimamente a sua actividade profissional em Portugal".

O Alto-Comissário para as Minorias Étnicas recorda ainda a numerosa presença de portugueses, nomeadamente originários da Madeira, na África do Sul, Estados Unido e Canadá.
"Que diriam e fariam as autoridades portuguesas e concretamente Alberto João Jardim se as autoridades e os residentes originários desses países declarassem: Portugueses não os queremos cá", questiona o Alto-Comissário.

Várias associações representativas dos imigrantes em Portugal já condenaram as declarações do presidente do Governo Regional da Madeira, considerando-as "racistas e xenófobas".

 

Data de introdução: 2005-07-08



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...