CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

IPSS vão reforçar papel nas Comissões de Proteção

O presidente da Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens em Risco considerou que o apoio permanente das instituições particulares de solidariedade social às comissões pode "contribuir muito" para reforçar o sistema de proteção das crianças.

Armando Leandro comentava à agência Lusa uma notícia avançada pelo Jornal de Notícias, segundo a qual as IPSS vão ser chamadas a apoiar, de forma permanente, as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens em Risco (CPCJR).

Citando o Instituto da Segurança Social, o jornal adianta que, no âmbito do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, está prevista a contratualização com as IPSS de apoio permanente nas CPCJ, estando agendado para junho a abertura para estas candidaturas. 

O anúncio do Governo surge após 17 CNPJ terem expressado "total discordância" com a decisão da Segurança Social de retirar técnicos de reforço das comissões, considerando que a capacidade de resposta fica comprometida.

Para Armando Leandro, "é bem-vinda esta notícia": "Estas instituições, que fazem um trabalho valiosíssimo no país, podem contribuir muito para reforçar o sistema" de proteção de crianças e jovens em risco.

Segundo o responsável, as IPSS irão não só reforçar o sistema na primeira linha, através da rede social, mas também ajudar o trabalho das comissões a nível da prevenção.

Defendeu a importância das instituições se reunirem e elegerem o seu representante nas comissões, que deve ter o "tempo necessário à funcionalidade da comissão" e cumprir o mandato.

Armando Leandro lembrou que a lei já prevê que nas comissões estejam, além dos representantes das entidades públicas, representantes das IPSS.

Contactado pela Lusa, o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), Lino Maia, adiantou que há "a intenção do Governo e uma disponibilidade das instituições" para realizar esta medida, mas ainda não se avançou nada.

"Há essa abertura mas ainda não está operacionalizada, só a partir da negociação é que iremos avançar", sublinhou o padre Lino Maia.

Para Armando Leandro, é fundamental o apoio das entidades públicas e particulares às comissões para as ajudar no cumprimento das suas obrigações.

"As comissões têm feito um trabalho esforçado, brilhante e merecem o respeito do país". Contudo, disse, existem falhas - "não há sistemas infalíveis - que devem ser supridas. 

"Temos todos de unir-nos", porque a prevenção e a reparação e das situações de risco e de perigo são "uma prioridade", defendeu.

"Só lucramos com a prevenção em todos os aspetos, mas depois é necessário reparar aqueles casos em que já há perigo", disse, sublinhando que "é indispensável sinalizar quando há um mínimo de indício sério".

A este propósito, Armando Leandro disse que CNPCJR vai "avaliar com rigor" o que se passou no caso de dois irmãos alegadamente vítimas de maus-tratos, em Loures. A menina morreu no sábado e o irmão está internado.

Segundo a imprensa, os pais das crianças estavam sinalizados na sequência de uma denúncia anónima feita à CPCJ de Loures.

"Vamos avaliar esta situação com rigor, procurando ver o que, porventura, falhou" e "procurar que estas situações não aconteçam", disse Armando Leandro.

 Mas, sublinhou, "não pode ter-se a ilusão de que todas as situações podem ser evitadas", porque "a imprevisibilidade humana é grande e as perturbações humanas são muito frequentes".

"O que não podemos é que elas surjam por omissão nossa", frisou, reiterando que estas situações têm de ser prevenidas "numa situação de verdadeira corresponsabilidade".

 

Data de introdução: 2015-04-16



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...