EDUCAÇÃO

"A educação sexual é a educação dos afectos"

O médico Machado Caetano defendeu que a educação para a sexualidade deve iniciar-se ainda antes da puberdade, sem estar restringida a uma só disciplina, e sublinhou que os jovens portugueses "não estão educados" sobre a matéria.

Nas Primeiras Jornadas Sobre Educação de Jovens, Machado Caetano realçou também que a educação para a sexualidade deve estar integrada na educação para a saúde, e que constitui uma "educação da capacidade de amar", em que deve ser aprendido o respeito por si próprio e pelo outro.

O professor catedrático da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa demonstrou-se extremamente crítico sobre as estratégias seguidas em Portugal quanto à educação para a sexualidade e apontou como resultados destas a "posição incómoda" que o país tem com o elevado número de infectados pelo vírus VIH/Sida e outras doenças sexualmente transmissíveis, bem como relativamente à gravidez não desejada em adolescentes.

"A população juvenil não está capaz e adequadamente informada e não está de todo educada" sobre estes problemas, realçou Machado Caetano, chamando também a atenção de que "a maior parte dos cidadãos também não estão educados".

"É como passar na passadeira. Todos sabemos que devemos passar na passadeira, mas quantos é que passam?", ilustrou o também ex- presidente da Comissão Nacional de Luta Contra a Sida. Para obter eficácia na transmissão da mensagem, o médico defendeu que deve começar a falar-se de sexualidade "antes da puberdade, quando a criança tem a percepção dela própria e de que é diferente das outras".

"São precisos sete ou oito anos para falar disto tudo", porque a "sexualidade é muito complexa" e "não passa por uma disciplina", concluiu o médico. E "é um mito pensar que falar deste assunto acelera a sexualidade prática", criticou Machado Caetano, salientando que "pelo contrário, retarda a vida sexual activa" e desenvolve uma "sexualidade responsável".

Durante a sua intervenção, Machado Caetano procurou ainda separar a ideia de que a educação para a sexualidade seja "a educação de como fazer sexo", realçando que "não é isto que interessa".

"A educação sexual é a educação dos afectos", frisou.

 

Data de introdução: 2005-04-22



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...