COMUNIDADES

Conhecer melhor os emigrantes

O I Encontro Mundial das Comunidades Portuguesas, que se realiza no Porto entre terça e quinta-feira, vai reflectir sobre a emigração para que Portugal conheça os seus cerca de cinco milhões de emigrantes.

De acordo com o bispo D. Januário Torgal Ferreira, presidente da Comissão Episcopal de Migrações e Turismo e Bispo das Forças Armadas, há necessidade de salientar em Portugal que "existem cerca de cinco milhões de portugueses que estão espalhados pelo mundo, que partiram contra a sua vontade e venceram na vida".

Organizado pela Comissão Episcopal de Migrações e Turismo e pela Obra Católica Portuguesa de Migrações (OCPM), o encontro pretende conhecer a emigração e divulgar em Portugal as comunidades portuguesas, disse o bispo D. Januário Torgal Ferreira.

Por outro lado, o encontro vai também dar a conhecer a forma como os portugueses foram acolhidos em alguns países. "É importante saber como é que os vários países acolheram os portugueses, para que Portugal responda às necessidades e aprenda a acolher os estrangeiros que procuram o país", afirmou o bispo.

O I Encontro Mundial das Comunidades Portuguesas pretende ainda homenagear todos os portugueses que deixaram o país e aqueles que têm servido as comunidades portuguesas, afirmou. "Identificar as mudanças psico-sociais nas comunidades portuguesas, assumir a memória sofrida da emigração, decidir sobre novas formas de acompanhamento e inserção eclesial e responsabilizar e envolver as estruturas da Igreja em Portugal" são os principais objectivos do evento, segundo a organização.

O director da Obra Católica de Migrações, padre Rui Pedro, explicou que "assumir a memória sofrida" significa que Portugal tem que "reconhecer a mais valia dos emigrantes". Ao longo de três dias vão estar em debate temas como "Migrações portuguesas ao longo dos tempos e na diversidade dos espaços", "Migrações: redes sociais, solidariedade e integração", "Olhar retrospectivo sobre a acção da igreja nas migrações: experiências vividas e novos caminhos", "Olhar crítico sobre a acção da igreja nas migrações: relacionamentos e redes de inserção" e "Mobilidade e Cidadania: reconceptualização da condição migrantes".

No encontro vão estar presentes o secretário de Estado das Comunidades, António Braga, sindicalistas, conselheiros sociais e missionários, académicos e entidades da igreja, nomeadamente o presidente do Conselho Pontifício para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes, cardeal Stephen Fumio Hamao, que vem do Vaticano.

Emigrantes, luso-descendentes, missionários da igreja nas comunidades portuguesas e paróquias são alguns dos destinatários do evento. De acordo com a Obra Católica Portuguesa de Migrações, saem anualmente de Portugal cerca de 30 mil portugueses e desde 1990 emigraram perto de 300 mil.

 

Data de introdução: 2005-04-01



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...