COMUNIDADES

I Encontro Mundial das Comunidades Portuguesas

O I Encontro Mundial das Comunidades Portuguesas vai realizar-se no Porto, entre 29 e 31 de Março, e propõe uma reflexão sobre a emigração, para que Portugal conheça os seus cerca de cinco milhões de emigrantes.Organizado pela Comissão Episcopal de Migrações e Turismo e pela Obra Católica Portuguesa de Migrações (OCPM), o encontro pretende conhecer a emigração e divulgar em Portugal as comunidades portuguesas, disse o bispo D. Januário Torgal Ferreira.

Numa conferência de imprensa destinada a apresentar o evento, o presidente da Comissão Episcopal de Migrações e Turismo e Bispo das Forças Armadas destacou a necessidade de salientar em Portugal que "há cerca de cinco milhões de portugueses que estão espalhados pelo mundo, que partiram contra a sua vontade e venceram na vida".

Por outro lado, o encontro vai também dar a conhecer a forma como os portugueses foram acolhidos em alguns países. "É importante saber como é que os vários países acolheram os portugueses, para que Portugal responda às necessidades e aprenda a acolher os estrangeiros que procuram o país", disse o bispo.

D. Januário Torgal Ferreira criticou ainda a forma como o Governo tem integrado os imigrantes, adiantando que "o acolhimento não foi tão generoso e rico como a retórica dos governantes".

O I Encontro Mundial das Comunidades Portuguesas pretende ainda homenagear todos os portugueses que deixaram o país e aqueles que têm servido as comunidades portuguesas, afirmou. "Identificar as mudanças psico-sociais nas comunidades portuguesas, assumir a memória sofrida da emigração, decidir sobre novas formas de acompanhamento e inserção eclesial e responsabilizar e envolver as estruturas da Igreja em Portugal" são os principais objectivos do evento, segundo a organização.

O director da Obra Católica de Migrações, padre Rui Pedro, explicou que "assumir a memória sofrida" significa que Portugal tem que "reconhecer a mais valia dos emigrantes". Ao longo de três dias vão estar em debate temas como "Migrações portuguesas ao longo dos tempos e na diversidade dos espaços", "Migrações: redes sociais, solidariedade e integração", "Olhar retrospectivo sobre a acção da igreja nas migrações: experiências vividas e novos caminhos", "Olhar crítico sobre a acção da igreja nas migrações: relacionamentos e redes de inserção" e "Mobilidade e Cidadania: reconceptualização da condição migrantes".

 

Data de introdução: 2005-03-28



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...