OPINIÃO

“Pela santa Liberdade/ Triunfar ou perecer” (Hino da Maria da Fonte)

1 - Sou um cidadão do Porto.
(Creio ser essa a minha mais antiga identidade cívica – e mesmo afectiva: um bom cidadão do lugar, como o Domingos Peres das Eiras, da Crónica de D. João I, de Fernão Lopes.)
Dentro do espaço mais amplo que é a cidade, posso ainda dizer com orgulho que sou um portuense da zona oriental: mais especificamente, do Bonfim.
Estudei, do 1º ao 7º ano – dos 10 aos 17 anos -, no Liceu Alexandre Herculano, no centro da freguesia do Bonfim, vindo diariamente de comboio de Ermesinde, onde residia, para Campanhã, estação oriental de caminho-de-ferro, situada muito perto do referido Liceu.
Vinha de Ermesinde, de comboio, com o meu Pai, funcionário dos Serviços de Águas e Saneamento do Porto – Serviços que então funcionavam, como ainda hoje, na belíssima Quinta de Nova Sintra, no Bonfim, cujos jardins, infelizmente fechados ao público, constituem, na zona oriental, debruçados sobre o Rio Douro, uma réplica dos jardins do Palácio de Cristal.
A minha Mãe, professora primária, esteve, durante alguns desses anos, colocada da Escola da Praça das Flores – na toponímia oficial, Praça Dr. Nuno Teotónio Pereira – no Bonfim, claro!
Foi no Alexandre Herculano que comecei a minha colaboração em jornais: fiz parte da redacção do Prelúdio, o jornal do Liceu, onde publiquei as minhas primeiras crónicas – já lá vão 45 anos.
Também nesse Liceu, fui presidente da JEC – Juventude Escolar Católica, cuja sede concelhia funcionava numa residência de sacerdotes, na mesma Rua do Barão de Nova Sintra onde se situa a sede das Águas e Saneamento do Porto.
Foi ainda no Alexandre Herculano que iniciei a actividade de participação cívica, integrando a primeira comissão pro-associação dos liceus do Porto, aí por 1968/69; e foi também aí que me manifestei pela primeira vez, contra a visita ao Liceu do então Ministro da Educação, José Hermano Saraiva.
Deslocado para Coimbra, para estudar Direito – que então não havia no Porto -, era no Bonfim que passava todo o tempo que podia, sempre que não estava em aulas.
É que no Bonfim morava a minha namorada, minha mulher, com quem casei vai fazer 40 anos – na Igreja do Bonfim.
S. Lázaro, a Biblioteca Municipal, o Jardim Soares dos Reis, os cafés Belas Artes, Madureira e “O Nosso Café”, todos no Bonfim, foram os locais das minhas peregrinações entre 1969 e 1974.
Resido, desde Fevereiro de 1974 – dois meses antes da Revolução – a 50 metros dessa Igreja onde casei.

2 – O centro da freguesia do Bonfim é o Campo 24 de Agosto, onde se localiza a sede da Junta de Freguesia, no palacete cor-de-rosa dos Cirnes, situando-se também aí a mais emblemática estação do Metro do Porto, integrando, num dos patamares, a antiga Arca d’Água de Mijavelhas, do século XVII.
O Campo leva esse nome agarrado por ter sido no Porto que, em 24 de Agosto de 1820, se deu a sublevação contra o protectorado inglês em que vivíamos, na sequência da participação de tropas inglesas – comandadas pelo Marechal William Beresford –, ao lado das nossas, na Guerra Peninsular, contra as Invasões Francesas.
Essa sublevação ficou para a História com a designação de Revolução Liberal.
O Regente, D. João VI, fugira com a corte para o Brasil, por ocasião da 1ª Invasão Francesa, em 1807 – e por lá se deixara ficar, na ilha de Paquetá, gozando, ao que dizem as crónicas e um poema declamado por João Villaret, do clima, das mulatas e das galinhas assadas.
Em 1820, a burguesia liberal do Porto, chefiada por Manuel Fernandes Tomás, rebelou-se contra o domínio inglês e contra a caução que a esse domínio era conferida por D. João VI, instituiu a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino, fez alastrar por todo o país a Revolução Liberal e acabou com o antigo regime da monarquia absoluta.
(Fez parte do Sinédrio, órgão de comando da Revolução, Francisco de Barros Lima, que foi mais tarde Presidente da Câmara do Porto e que deu o nome à Rua onde resido.)
Instituiu-se então em Portugal o regime liberal, baseado no sufrágio popular, na igualdade perante a lei e na separação de poderes: legislativo, executivo e judicial – importando os princípios da Revolução Francesa e da Independência dos Estados Unidos da América, ambas dos finais do século XVIII.
Acabou nessa data o direito divino como fundamento do poder temporal, deixando o Rei, ou o seu Governo, de poder dar ordens aos delegados às Cortes ou aos juízes, de os poder perseguir e prender por puro arbítrio, como antes acontecia.
Foi eleita uma Assembleia Constituinte, que aprovou a Constituição de 1822 – a 1ª Constituição Portuguesa, cuja obediência foi imposta ao Rei, que só pôde regressar do Brasil, em 1821, na condição de aceitar o novo regime.
De 1822 até hoje, sempre tivemos, como lei primeira, uma Constituição: 1822, 1836, 1911, 1933, 1976.

3 - A RTP Memória transmitiu, há pouco, a série histórica sobre o Processo dos Távoras, fidalgos da primeira nobreza de Portugal, justiciados e executados às ordens do Marquês de Pombal, após um simulacro de julgamento, estando a sentença condenatória lavrada de antemão, antes mesmo das audiências.
Numa das cenas, aparece o Marquês de Pombal a dizer ao juiz desembargador responsável pelo julgamento como quer que seja a sentença, ameaçando-o para o caso de esta não corresponder às suas exigências.
O juiz obedeceu, claro! E os Távoras foram condenados à morte e espoliados de todos os bens, perderam o direito ao nome e viram os brasões dos seus palácios picados à maça.
Estes factos não se passaram muito antes da vitória da liberdade, em 1820.
O julgamento dos Távoras decorreu em 1759 – apenas 60 anos antes da liberdade.

4 - Com a Revolução Vintista, instituiu-se em Portugal um regime baseado no sufrágio e na separação dos poderes.
Uma democracia liberal, diríamos na linguagem de hoje.
A democracia assenta no voto dos cidadãos como legitimadora da representação política e do exercício do poder, como sabemos.
Mas isso não basta para a definir.
A democracia é também o lugar do primado da lei: respeitada por todos e que a todos obriga, sejam governados, sejam governantes.
A Constituição é a primeira das leis, à qual todas as outras estão subordinadas.
E está em vigor pleno: a nossa Constituição não está suspensa, como declarou o Senhor Presidente da República.
Aliás, o actual Governo – como os anteriores – só governa por ter sido eleito nos termos desta Constituição.
A actual maioria parlamentar aprovou há dias, na Assembleia da República, na generalidade, o Orçamento de Estado para 2014, que, em várias das suas disposições fundamentais, se arrisca a fazer companhia aos seus irmãos de 2013 e 2012 na violação reiterada e consciente da Constituição.
(Em 2014, o F.C. Porto ganhará o tetra e o Governo o tri, mas este no campeonato das ilegalidades orçamentais.)
E aprovou, no mesmo dia, já na especialidade, um outro diploma, proposto pelo Governo, relativo ao corte retroactivo das pensões de aposentação dos funcionários públicos – diploma que, não integrando formalmente o Orçamento de Estado, tem repercussões orçamentais muito relevantes.
Os constitucionalistas dignos desse nome são unânimes em considerar que, pelo menos no que respeita à retroactividade dos cortes, se trata de uma patente e grave inconstitucionalidade; o mesmo sucedendo no estabelecimento, pela Lei do Orçamento, de um carácter duradouro à CES, que o TC considerou no ano passado tolerável apenas se fosse limitada e temporária.
Parece uma provocação ao TC e não aparenta o devido respeito pela lei.
Também não falta quem queira dar ordens ao Tribunal Constitucional, ou ameaçar os seus juízes, ou pressioná-los, como nos tempos do Marquês de Pombal.
Ainda há dias, da Televisão, a propósito de um documento da SEDES – que não é gente suspeita de esquerdismo -, muito crítico para com os cortes em salários e pensões constantes da Lei do Orçamento e da chamada “lei da convergência” entre a CGA e a Segurança Social, um dos comentadores porta-vozes oficiosos do Governo, Alexandre Patrício Gouveia, do “Compromisso Portugal”, veio propor a responsabilização dos juízes do TC, no caso de julgarem inconstitucionais as leis em causa.
Supõe-se que pretenda prendê-los, ou multá-los, ou suspender-lhes os salários, para os responsabilizar.
Por mim, para minha defesa contra o arbítrio – e o arbítrio a recear é sempre o do poder executivo -, quero tribunais livres e independentes.
Prefiro responsabilizar quem não cumpre nem quer cumprir a lei.
Bem sei que os nossos pequenos “Pombais” não passam de aprendizes.
Mas a ignorância, como se sabe, é atrevida!

Henrique Rodrigues – Presidente do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2013-11-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...