OPINIÃO

Os tentáculos da Al Qaeda - por A.J. Silva

Já se sabia que a morte de Bin Laden, ocorrida a 1 de Maio de 2011, não significava a morte da Al Qaeda. A sua liderança era realmente importante para o movimento, no que dizia respeito às grandes linhas da estratégia e à definição das prioridades. Mas, para os seus seguidores, Bin Laden era sobretudo um símbolo e uma espécie de garantia de unidade e de vitória na guerra santa contra o poder do mal, disseminado através do mundo pelos Estados Unidos e seus aliados.
Apesar desta importância e do peso de Bin Laden na Al Qaeda, não se pode dizer que esta organização cultivasse um modelo centralista, totalmente dominado pela sua figura e dela completamente dependente. Na altura do desaparecimento do seu líder incontestado, a Al Qaeda já tinha múltiplas ramificações, com mais ou menos autonomia, sobretudo em África, e mais particularmente no Magrebe. Em 2006, o grupo salafista argelino, que se intitulava a si próprio de “Pregação e Combate”, decidiu integrar-se na Al Qaeda, colocando-se sob o seu comando táctico e estratégico com o nome de Al Qaeda do Magrebe, AQMI, uma mudança de nome que coincidiu com um aumento significativo das operações levados a cabo em Marrocos e na Argélia.
Vem isto a propósito do atentado contra um centro comercial da cidade Nairobi, no Quénia, o Westgate, planeado e executado há dias por um grupo terrorista de origem somali, o Al Shabab, e cuja ligação à Al Qaeda é assumida pelos seus líderes. O atentado fez mais de setenta mortos, mas os terroristas garantem que mataram mais de uma centena de reféns
Desde há muitos anos que a Somália sofre os efeitos de uma violência endémica que desagregou por completo as frágeis estruturas de um país que nunca mereceu verdadeiramente o nome de estado. Primeiro, foram as guerras de carácter étnico e, a partir de 2006, uma guerra civil despoletada pelos chamados “tribunais islâmicos”, um movimento armado cujo objectivo era a criação de um estado dominado pela charia. A comunidade internacional acabou por intervir militarmente, desta vez através da OUA, e a Somália escapou por pouco à islamização pretendida pelo referidos “tribunais”. O Quénia participou e ainda participa nessa intervenção, e dezenas de pessoas inocentes pagaram agora, às mãos do Shabab, o preço dessa participação.
O problema é que, mesmo tendo perdido alguns operacionais no atentado, este braço da Al Qaeda em Africa já afirmou que não vai parar…

António José da Silva

 

Data de introdução: 2013-10-14



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...