OPINIãO

Poder e insegurança - por A. J. Silva

O atentado cometido no final da maratona de Boston provocou uma intensa emoção nos Estados Unidos e teve uma grande repercussão em todo o mundo. Antes de mais, pelo número de mortos e feridos que causou. Depois, porque os seus autores escolheram como palco privilegiado para o seu acto de terror e ódio um acontecimento desportivo de grande impacto e participação, como é sempre uma maratona. Finalmente, porque está ainda viva, sobretudo entre os americanos, a memória do 11 de Setembro.
Desta vez, as diversas forças policiais foram rápidas na descoberta dos autores do atentado e na sua neutralização. O presidente Obama fez questão de elogiar publicamente o trabalho de todos os agentes, e o povo que se juntou nas imediações do local onde se tinha refugiado o segundo dos irmãos Tsarnaev saudou efusivamente a sua captura, não faltando mesmo muitas bandeiras do país a festejar uma “vitória contra o terrorismo”.
Embora satisfeito com o êxito do trabalho policial, Barak Obama lembrou que há ainda questões em aberto e para as quais é precioso encontrar resposta. Nomeadamente as que dizem respeito aos motivos que podem levar dois jovens chechenos oriundos do Daguestão e acolhidos nos Estados Unidos, onde aparentemente levavam uma vida normal, a prepararem e executarem um atentado terrorista desta dimensão.
O presidente teve o cuidado de não apontar de imediato para a pista islâmica, que é sempre a mais comum e da mais fácil aceitação, até porque que os dois irmãos eram muçulmanos. E fez bem em não ir por aí, até porque alguns dos episódios mais violentos que abalaram a América nos últimos anos tiveram como autores cidadãos nascidos e criados no país.. Basta recordar a matança do liceu de Columbine, no Colorado, que ocorreu precisamente no dia 20 de Abril de 1999, ou a tragédia de Waco, no Texas, também em Abril, mas de 1993.
Uma coisa parece certa: apesar de todo o seu poder tecnológico e militar, os Estados Unidos nunca poderão garantir a segurança total dos seus cidadãos. Nem os Estados Unidos, nem qualquer outra potência. Uma panela de pressão, umas dezenas de pregos e um telemóvel foram suficientes para estragar irremediavelmente um grande acontecimento desportivo. E, mais grave ainda, foram suficientes para ressuscitar o medo colectivo.
Uma boa dose de conhecimentos rudimentares e, sobretudo, ódio quanto baste chegam para abalar a segurança de uma potência.


A.J.Silva

 

Data de introdução: 2013-05-13



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...