CASA DA FREGUESIA DE ESCALHÃO, FIG. CASTELO RODRIGO

Apoiar quem fica para combater a desertificação

Fica no Nordeste do distrito da Guarda, dista menos de 10 quilómetros da sede de concelho, Figueira de Castelo Rodrigo, e fica em pleno Parque Natural do Douro Internacional, com Espanha ali mesmo ao lado. A curta viagem entre Figueira, como por lá se diz, e a aldeia de Escalhão, freguesia que até início do século XIX foi vila e sede de concelho, faz-se por um cenário austero, onde da terra apenas parece brotar rocha… e mais rocha!
Porém, o pão, o vinho e o azeite são os produtos que orgulham todos os que ali moram e deliciam os que por lá passam e os provam.
Segundo o último Censos, Escalhão não atinge os 800 habitantes, mas nem assim a assistência aos que mais precisam é descurada.
A Casa da Freguesia de Escalhão, instituição modelo na região, não só acolhe e apoia idosos, que são cada vez mais numa região muito desertificada, mas igualmente crianças, para além de que é, no concelho, o segundo maior empregador, com 32 funcionários, logo a seguir à Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo.
«Nascemos duma pequenina semente esquecida pelo tempo... em gestação... Alguém a plantou no ventre da Amizade e da Solidariedade... e floriu! Hoje é árvore frondosa e tem um nome – Casa da Freguesia de Escalhão. À sua sombra albergam-se os frutos nascidos da cooperação, da boa vontade, da entreajuda e da entrega de muitos, geradores do bem-estar a que toda a gente tem direito: Creche, Jardim de Infância, ATL, Ludoteca, Lar de Idosos, Centro de Dia e Apoio Domiciliário. Esta é a tua e a nossa Casa». Ao acedermos ao sítio na Internet da instituição raiana, esta é a mensagem que nos recebe e que dá logo conta do propósito e do que está por detrás da sua fundação.
Na génese do que hoje é uma instituição que apoia mais de 120 pessoas, entre crianças e idosos, está Francisco Távora, que empresta o nome ao novo Lar de idosos e ao Museu de Artes e Ofícios, da Casa da Freguesia de Escalhão.
“A história da instituição começou em 1974, com uma ex-Casa do Povo, que o foi até 1992, onde inclusive eu ainda trabalhei”, começa por contar Maria Alice Pacheco, presidente da Direcção, prosseguindo: “Depois estas foram extintas e, ao contrário das outras Casas do Povo, esta manteve-se. Tudo o que era da Casa do Povo ficou, mais a vertente social, que neste momento tem a creche, jardim-de-infância, ATL, Ludoteca, Lar, Centro de Dia e Apoio Domiciliário”.
É, então, em 1992 que a instituição assume a designação de Casa da Freguesia de Escalhão. A sua actividade arrancou com um lar de idosos, “que nasceu numa casa que foi doada, mas depois isto é como uma bola de neve, que cresce, cresce, cresce e agora temos um lar construído de raiz e onde já estamos há sete anos”.
Foi em 2007 que o novo edifício, com excelentes condições, se abriu aos utentes. Foi encerrado o lar antigo e transferidos os utentes para o novo equipamento.
Actualmente, a Casa da Freguesia de Escalhão acolhe em Lar 46 utentes, seis deles fora dos acordos de cooperação com a Segurança Social, assiste 12 utentes através do Serviço de Apoio Domiciliário e outros tantos frequentam o Centro de Dia.
Face às condições climatéricas da região, com Invernos muito rigorosos, a frequência das diversas valências, à excepção do Lar, é variável, como disse, ao SOLIDARIEDADE, Ana Isabel Lima, directora-técnica do Lar Francisco Távora.
“O Apoio Domiciliário varia de mês para mês e no Verão até somos capazes de ter mais utentes, porque alguns vêm de férias. Temos, por exemplo, um senhor que vem do Brasil e que recorre aos nossos serviços”, revela, constatando que em sentido inverso: “O Centro de Dia, ao contrário do Apoio Domiciliário, tem mais utentes no Inverno do que de Verão, por causa do frio”.
Para esta técnica, que é assistente social de formação, o grande problema da região prende-se com a emigração e a falta de rectaguarda familiar que muitos idosos vivem.
“O grande problema da nossa região é mesmo a falta de familiares, de apoio familiar, e é por isso que estas pessoas recorrem mais à valência de lar do que às outras. A maior parte tem os filhos fora e o Inverno aqui é muito complicado, é muito longo e muito frio, pelo que recorrem mais ao Lar, pois sentem que têm mais apoio”, explica, adiantando que a lista de espera para a resposta lar é composta por cerca de 500 pessoas.
“Temos uma lista de espera de Lar muito grande. Este lar foi aberto com mais quartos e camas, mas os idosos do lar velho vieram para cá. Alguns dos que estavam na lista de espera já entraram, outros estão noutras valências, mas inscrevem-se na mesma, porque querem salvaguardar vaga. Por exemplo, alguns estão no Lar de Figueira, mas são aqui de Escalhão, pelo que se tivessem uma vaga viriam para aqui para a sua terra”.
Mas não é apenas o apelo da terra Natal que se faz sentir… “A lista de espera não é composta apenas por pessoas do concelho, temos inscrições de todo o País. Ultimamente até tivemos mais inscrições, por exemplo, de Coimbra e do Porto, do que propriamente aqui da zona. E se algumas destas pessoas até têm raízes na região, outras não. Muitas destas passam em turismo, conhecem a instituição e gostam… E temos algumas inscrições de pessoas com pouco mais de 40 anos, que o fazem para salvaguardar uma vaga no futuro”, sustenta Ana Isabel Lima.

DINAMIZADOR CULTURAL

Apesar de situada num local remoto e isolado do Interior, por Escalhão passam muitos turistas, que ali, para além da imponente e emblemática Igreja Matriz, podem visitar o Museu de Artes e Ofícios Francisco Távora.
Através dos utensílios utilizados nas principais actividades agrícolas da região, que se baseava na produção de pão, vinho e azeite, o Museu da instituição é uma espécie de fotografia histórica dos tempos em que a actividade agrícola prendia as pessoas à sua terra.
O percurso expositivo apresenta os objectos contextualizados nas diferentes cenas da vida quotidiana das gentes de Escalhão e, ao mesmo tempo, integrados nas diferentes estruturas arquitectónicas, como o lagar de vinho e a cozinha.
O visitante pode seguir dois percursos: um correspondente à Cozinha e a todas as actividades associadas a esse espaço doméstico; e um outro que integra todas as actividades da vida rural da freguesia de Escalhão, como a cultura do azeite e do vinho, a lavoura, a eira, as oficinas do ferreiro, do carpinteiro e do sapateiro, a festa e o lazer, a religião e o traje.
Ainda nesta vertente cultural, e porque ser do Interior profundo não exclui, ou não devia excluir, ninguém da Cultura, a instituição alberga uma biblioteca, com milhares de títulos, na esmagadora maioria oferecidos, e ainda uma ludoteca.

CONTAS EQUILIBRADAS

Relativamente à situação financeira da Casa da Freguesia de Escalhão, a sua presidente é taxativa: “Nunca houve sobras e nunca houve faltas, tentamos equilibrar as coisas. Todos os cêntimos que entram têm que ser justificados e os que saem também. É uma dificuldade muito grande, mas tem que haver equilíbrio, afinal como tudo na vida”.
Assim, a instituição conta por receitas as comparticipações da Segurança Social e as dos utentes, “e não é de todos, porque a Segurança Social tem muito por quem dividir o bolo, pelo que não estão todos abrangidos pelos acordos de cooperação”, sublinha Maria Alice Pacheco, lamentando: “Depois, os utentes têm magras reformas, pelo que algumas mensalidades são diminutas, mas o que podemos nós pedir a quem não tem? E da mensalidade tem que se comprar os medicamentos, as fraldas, etc”.
Mas, a este propósito, ainda há razões para sorrir em Escalhão, com algo cada vez mais em desuso, mas que por aqueles lados ainda vai existindo, que são as doações, tal como o edifício onde tudo começou e hoje funciona a sede: “Felizmente essas doações foram a alavanca para muito do que é hoje a Casa da Freguesia… Ainda hoje temos alguns donativos importantes… Acho que toda a gente reconhece o valor da instituição e a sua inserção na comunidade, pelo que vamos recebendo alguns donativos. Quer a esse nível, quer em géneros, as pessoas na altura das batatas, levam batatas para o Lar… É uma casa que consome tudo e em grande quantidade… Ainda temos pessoas generosas”.
E como seria Escalhão sem a Casa da Freguesia? A resposta sai pronta da boca da presidente: “Seria como todas as aldeias que há por aí, com os idosos a irem para outros lares e a ficarem mais desertificadas… Temos muitos idosos, mas temos a preocupação de que ainda temos escola primária e muitos dos funcionários têm os filhos na creche ou no jardim-de-infância… E isso ainda vai sendo a alma da freguesia e acaba por ser o combate que fazemos à desertificação e ao isolamento”.
E neste momento, em termos de infância, a instituição acolhe 12 petizes em creche, mais 26 em pré-escolar e duas dezenas em ATL, o que de alguma forma vai garantindo um certo futuro. Assim haja o que os prenda à terra!

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2013-05-08



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...