OPINIÃO

Síria: a Primavera ainda não chegou

A Síria tem resistido, pelo menos até agora, aos ventos da chamada primavera árabe. Ao longo dos últimos seis meses, e apesar de seriamente abalado, o regime de Bashir al Assad conseguiu superar a força, aparentemente avassaladora, de um movimento que mudou o rosto de vários países irmãos, como a Tunísia, o Egipto ou o Iémen.

No conjunto do mundo árabe, e no contexto do Médio Oriente, a Síria é, do ponto de vista político, um país estranho. O povo é maioritariamente muçulmano, mas o regime político é laico. O fundamentalismo religioso que condicionou, e ainda condiciona, a praxis política da maioria dos países muçulmanos não ganhou raízes na Síria, mas isso não tem impedido que o governo da Damasco seja, já há muito, um aliado fiel de todos os movimentos e ou governos radicais da sua área geográfica.

O regime sírio é claramente de natureza autocrática, para não dizer ditatorial, mas não tem aquilo a que poderíamos chamar uma ideologia, a não ser a que se fundamenta na conservação e utilização do poder, entregue praticamente a um clã familiar e a um reduzido grupo de fiéis em que dominam, sobretudo, os militares.

De qualquer modo, ao longo dos anos, o povo foi aguentando este regime, sem grandes manifestações de uma oposição declarada, tanto mais que esta seria praticamente inviável. A situação económica nunca foi demasiado difícil, e a prática religiosa nunca foi proibida, mesmo a das minorias, incluindo as cristãs. Para unir e motivar o povo, o regime sírio sempre utilizou problemas externos, sobretudo aqueles que tinham alguma relação com a Palestina e, mais proximamente, com o Líbano.

O comportamento da Damasco face a Israel traduziu-se, logicamente, num posicionamento anti-americano e levou o regime a uma aproximação com Moscovo, aproximação que se manteve para além da queda do império soviético.

Isso mesmo ficou plenamente demonstrado no veto com que a Rússia ameaçou os restantes membros do Conselho de Segurança da ONU, se estes levassem por diante o seu propósito de apresentarem nesse Conselho um texto fortemente condenatório da política de repressão que o governo da Damasco tem exercido sobre o movimento democrático que vem agitando a Síria.
Foi o último trunfo do regime para garantir que os ventos da Primavera não se farão sentir na Síria.

António José Silva

 

Data de introdução: 2011-11-12



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...