OPINIÃO

Irresponsabilidade à solta

Quem não se lembra do apelo irresistível: “compre agora e pague depois”? Muito boa gente caiu nesta armadilha de um consumo irresponsável e sem caução suficiente e consistente para amortizar juros e capital de empréstimos contraídos! Ou seja: quem provou a “maçã tentadora” do endividamento em larga escala e se fez passar por “novo rico”, vive agora uma situação dramática de “novo pobre”, de mão estendida, envergonhadamente, à caridade!

Entretanto, a banca fartou-se de ganhar dinheiro, que foi distribuindo pelos seus accionistas, não perdoando nada a ninguém na hora das sucessivas e dolorosas insolvências de famílias e falências de empresas!
Uma coisa ficou já provada: contrariamente ao slogan do PREC “os ricos que paguem a crise”, em plena democracia, e apesar de todas as juras eleitorais, sucessivos governos têm obrigado “os mais pobres” (através de pesadíssimas impostos) a pagar as crises mal resolvidas pelos ricos!

A gente a pensar que os impostos eram escrupulosamente geridos pelos Governos em benefício do Bem Comum e sob o escrutínio atento e permanente de uma miríade de organismos com responsabilidades de monitorização e controle da dívida pública…e nas nossas costas foi crescendo e medrando um monstro insaciável chamado DÉFICE!

Com a honrosa excepção do Tribunal de Contas e do seu presidente, Dr. Guilherme Oliveira Martins, que se fartou de alertar para irregularidades e escandalosas derrapagens em obras públicas, fica-nos a conclusão amarga de que o “povo” foi explorado por quem o devia proteger e governar!
E a irresponsabilidade continua à solta! Ninguém nos garante que, mesmo depois dos dolorosos tempos de austeridade que nos esperam, as nossas contas públicas ficarão sob controlo!
Mais que uma crise económica e financeira, a situação de confusão e insegurança que se vive em Portugal e na Europa não representarão, sobretudo, uma profunda crise de CONFIANÇA em pessoas e em Instituições?

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2011-10-20



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...