OPINIÃO

Líderes, precisam-se!

Os líderes e os génios não resultam de eleições; impõem-se por si mesmos e, ignorá-los ou fazer-lhes o vácuo, representa um acto de suprema ignorância e/ou de perigosa cegueira! O voto, em eleições livres e participadas, legitima o acesso ao cargo mas não é garante de competência para o exercício das funções que lhe são inerentes!

Entre nós, haverá ambiente para que líderes políticos e sociais, tecnicamente bem preparados com uma estrutura ética à prova de bala, possam vir a ser desejados pelo Povo para o governarem, mas que, pela via do nosso actual sistema político e eleitoral, fiquem completamente arredados de um serviço público ao seu País?
Os bloqueios em democracia são muito perigosos e podem dar origem a tentações de recurso ao “Sebastianismo”, que é sempre um canto de sereia que, num abrir e fechar de olhos, nos poderia conduzir ao precipício de uma DITADURA!

Aproximam-se tempos em que os portugueses que têm concedido créditos de boa fé regras da democracia, poderão começar a interrogar-se: mas que raio de democracia é esta que não tem conseguido, ao longo de tantos anos, encontrar pessoas competentes e íntegras capazes de, com o nosso voto, cumprirem a promessa de DESENVOLVIMENTO e BEM-ESTAR SOCIAL que nos foram garantidos em Abril?
O país poderá começar a ficar preocupado com a “partidarite aguda” que tomou conta dos vários líderes políticos e que está já a criar perigosos efeitos colaterais que se manifestam num ambiente de crispação e batalha verbal campal que corre o risco de contagiar o país!

E se o povo decidir partir para as próximas eleições disposto a tirar a “prova dos nove” ao nosso sistema democrático, usando o seu voto como uma forma de protesto contra um jogo democrático que de democrático (onde o povo é efectivamente ouvido e se reconheça servido por aqueles que para isso elege) começa a ter muito pouco!
Vai caber ao Povo resgatar a DEMOCRACIA que se encontra sequestrada pela PARTIDOCRACIA. Será já desta vez ou, a muito curto prazo (se os resultados eleitorais confrontarem o Presidente da República com uma impossibilidade efectiva de conseguir dar posse a um novo Governo) que teremos mesmo de nos interrogar sobre o futuro do próprio Regime?

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2011-04-09



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...