OPINIÃO

Retorno social dos financiamentos públicos

Ainda no rescaldo do debate e da aprovação do orçamento de Estado, não falta quem se interrogue sobre os cortes orçamentais de cada Ministério para cumprir as suas metas de contenção da despesa!
A insistência em referir a necessidade de contenção nas chamadas “despesas sociais” poderá ser considerada como uma espécie de “chicotada psicológica” para abrir espaço a uma redução de verbas para garantir a subsistência dos vários Sistemas e Sub-Sistemas da Segurança Social!

A forma como têm sido tratados os muitos milhares de desempregados sem direito a subsídio de desemprego prova que a Justiça Social e a Solidariedade não ocupam o lugar de destaque que merecem num Estado de Direito por parte de um Governo que, apesar de várias medidas políticas bem pensadas e financeiramente bem ancoradas, nem sempre tem dado suficientes sinais de CONFIANÇA a quem, através de Acordos de Parceria ou Cooperação, embarca de boa fé na contratação de técnicos e na mobilização de voluntários para manter abertos, diariamente, milhares de equipamentos sociais e garantir uma grande diversidade respostas e serviços de apoio a pessoas, famílias e comunidades em situação de carência!

Todos conhecemos a alergia e a crescente onda de contestação de determinados sectores da sociedade, uns de índole ideológica e outros de natureza sindical e corporativa de interesses, contestando o financiamento de despesas sociais a Instituições não-estatais, e, designadamente, também às Instituições Particulares de Solidariedade Social .

“Só cá para nós, que ninguém nos ouve”: não nos deveriam merecer mais atenção reparos e contestações de muita gente que questiona a forma como, através de algumas Instituições e dos seus técnicos, são prestadas formas de intervenção que não asseguram o esperado RETORNO SOCIAL?

É que, sem uma percepção da opinião pública sobre a qualidade técnica e a capacidade de MUDANÇA SOCIAL que é suposto serem asseguradas pelos financiamentos do Estado a quem, através de Acordos ou Protocolos de Cooperação, assume compromissos concretos que algumas vezes não é capaz de cumprir…poderão ser dados trunfos àqueles que, apesar de não saberem fazer melhor, não deixarão de questionar a legitimidade de certos financiamentos!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2010-02-06



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

(...) É relevante a importância do estudo sobre a importância económica e social das IPSS, que ajuda a perspetivar algumas vias de futuro e constitui uma preciosa ferramenta na Cooperação. (...)

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Saber fazer e como fazer
A Covid-19 arrastou o mundo e o nosso País para uma crise com consequências económicas e sociais ainda difíceis de imaginar.Mostra a experiência que no fim de qualquer...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

As contas da tragédia dos incêndios de 2017
Exerço as funções de Presidente da Assembleia Geral da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e é com satisfação que constato que entre a...