OPINIÃO

Alarmes sociais

Sei que títulos como este merecem sempre reparos e críticas, com o argumento de que são negativistas, assim tipo “bota abaixo” (expressão usada cada vez mais por quem entende que deveríamos ser mais “prudentes e mansos” nas análises que fazemos, sobretudo quando, supostamente, tais juízos puderem prestar-se a ser entendidos como uma “crítica” a quem detém certos “poderes”) !

Porém, também confio no SOLIDARIEDADE, sentinela ao serviço de quem é vítima de DESUMANIDADES, para ousar erguer a voz e gritar a minha revolta, que é a revolta de cada vez mais gente: NÃO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA!

Recorrentemente, e de forma crescente, analistas, sociólogos, pessoas que convivem com o dia-a-dia de muita gente que sofre na pele as várias “crises” que se vão abatendo sobre a sociedade portuguesa, e não só, alertam para a necessidade em estarmos atentos a uma situação de ALARME SOCIAL que pode atentar contra a coesão social e a própria convivência democrática!

O mal é que um ALARME SOCIAL, assim a sério, como alguns temem, pode até nem estar para breve nem acontecer da forma apocalíptica como o imaginam. Isto, porém, não obsta que uma cadeia de pequenos e médios alarmes sociais não possam, qual tsunami da natureza maltratada e ferida, vir a ter réplicas capazes de, em pouco tempo, arrasar tudo e todos!

Em face de uma sociedade onde a INDIFERENÇA, as DESIGUALDADES SOCIAIS, A INJUSTIÇA, A POBREZA, os ATENTADOS Á FAMÍLIA E Á VIDA, a extrema VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, ocupam frequentemente primeiras páginas de jornais e abrem noticiários televisivos, será legítimo perguntar: não estaremos já há muito tempo a ouvir gritar de desespero e dor milhares de pessoas, num alarme social semelhante a sirene estridente a convocar VOLUNTÁRIOS QUE AS SALVEM?

E se a prática da “solidariedade em obras” é a mais urgente e visível, urge também cultivar a “consciência social” que, em cada tempo e momento, funcionará como o alarme a tocar a rebate em busca de ajuda!

Pe, José Maia

 

Data de introdução: 2009-12-11



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...