EDITORIAL

Universalidade e cooperação

1. A educação pré-escolar é um serviço vocacionado para o desenvolvimento da criança, proporcionando-lhe actividades educativas e actividades de apoio à família. Os seus efeitos no futuro das crianças são indiscutíveis. Estudos diversos confirmam que aquelas que frequentam estabelecimentos de educação pré-escolar têm mais facilidade na integração no sistema escolar, tanto a nível didáctico propriamente dito, como a nível da socialização, da vivência em grupo, da aquisição de hábitos e regras e na noção de tempo. Geralmente, as que não frequentam a educação pré-escolar registam um percurso discente mais lento, com maiores taxas de insucesso e com mais possibilidades de abandono.

São três as redes da educação pré-escolar: pública (constituída por instituições da iniciativa do poder central ou local, 51%), privada (que integra os estabelecimentos do ensino particular e cooperativo, 17%) e social solidária (constituída por equipamentos geridos por outras entidades, nomeadamente as IPSS, 32%). Estas três redes são complementares visando a oferta universal e uma boa gestão dos recursos públicos.
Apesar de estar consagrada a universalidade da resposta como um direito social para todas as crianças a partir do ano em que atinjam os cinco anos de idade (não da obrigatoriedade de frequência), cerca de 10% das crianças com essa idade não frequentam o pré-primário.

Onde estarão essas crianças? Poderão não frequentar por razões como falta de equipamentos, ausência de condições ou distância. Porém, também se verificarão causas relacionadas com a exclusão social, como a de pertencerem a minorias étnicas ou a grupos desfavorecidos.
Ir ao encontro das crianças de cinco anos actualmente excluídas do ensino infantil é desafio e premência para favorecer o seu crescimento harmónico, progressiva autonomia e inclusão social.

2. A opção por uma sociedade inclusiva e progressiva implica o estabelecimento de um conjunto de direitos sociais como prestações positivas proporcionadas pelo Estado, directa ou indirectamente, que possibilitem melhores condições de vida aos mais fracos, direitos que tendam a realizar a igualização de situações sociais desiguais. No combate à exclusão, a universalização de direitos sociais é uma via importante.
A universalidade de resposta para todas as crianças de cinco anos de idade para a frequência do pré-escolar é uma louvável iniciativa com perfis de direito social.

Porém, é uma medida que poderá não atingir a eficácia desejada: todas as crianças com cinco anos podem frequentar o pré-escolar, contudo há uma privação para dez por cento, que poderão estar, precisamente, entre as mais excluídas e, consequentemente, ser as mais carecidas de um instrumento e de um ambiente educativo para um amanhã melhor. Num futuro próximo, o não uso de um direito social (no caso, a não frequência do pré-escolar) poderá agravar os sinais da sua exclusão.
Problema sem solução? Talvez não…

Enquanto instituições de proximidade e peritas em aproximação, as IPSS podem ser, e são, efectivamente, a solução preferível para cativar os mais excluídos: com opção preferencial pelos carenciados, muito melhor do que quaisquer outras organizações, as Instituições de Solidariedade podem atrair essas crianças e muitos dos excluídos para acederem aos seus direitos sociais. A tal complementaridade das redes (pública, privada e social solidária), quando respeitada, valorizada e potencializada, será o caminho a percorrer.


3. Sendo para as crianças com cinco anos um direito social, a frequência das actividades educativas no pré-escolar é gratuita. Porém, as actividades de apoio à família são comparticipadas por ela de acordo com as suas possibilidades.
Presentemente, tanto a rede pública do pré-escolar como a social solidária são uniformemente apoiadas pelo Estado nas actividades de apoio à família, enquanto as comparticipações familiares estão relacionadas com as suas reais possibilidades.
Quando numa sociedade inclusiva o uso de um direito social, universal e gratuito, eventualmente, implica o recurso a actividades não gratuitas, impor-se-á uma reflexão sobre o modelo de cooperação. Alguma correcção poderá ser oportuna quando se pretende que os mais carenciados usem de um direito que lhes assiste.

No caso da frequência do pré-escolar, em que há gratuitidade para as actividades educativas mas não há gratuitidade para as actividades de apoio à família, o futuro da cooperação poderá ser o da subsidiação directa das famílias segundo escalões estabelecidos para que todas as crianças o frequentem. Certamente, com um voucher (comprovativo, o contrato onde está mencionado o serviço a ser executado e os dados da Instituição acordada), por exemplo, e não propriamente com prestações pecuniárias cujos efeitos poderiam ser contraproducentes.

Essa até poderá ser uma via que poderá ajudar as Instituições a aproximarem-se ainda mais daqueles que delas mais carecem para os atrair a um futuro melhor. Também poderá ser uma via que contrarie uma certa concorrência, visível em algumas conjunturas autárquicas. E é bem capaz de ser uma via que contribua para assegurar a necessária sustentabilidade das Instituições…
Justifica-se a reflexão.

* Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2009-06-03



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...