Novos caminhos da Solidariedade

1. Na certeza de que com o curso dos tempos outros desafios são endereçados, “Novos Caminhos da Solidariedade” será o lema do próximo Congresso da CNIS, que vai decorrer no final deste mês de Janeiro.
Assim se espera uma reflexão sobre os novos caminhos da Solidariedade, na Solidariedade e para a Solidariedade.
Novos caminhos com direcções e rumos poderão ser rasgados.
Sulcar-se-ão caminhos novos, assim se antevê, porque há originalidades na conjuntura e perspectivam-se novidades nas sendas.
Certamente será uma postura de leitura partilhada e ampla, assumida pelas Instituições que têm vindo a dar corpo e causas a um sector que se redimensiona.
A meta será aquela que sempre pairou no horizonte do sector: a excelência, porque na actividade solidária toda a centralidade é dada à pessoa humana, enquanto destinatário e agente. Por isso mesmo, previsivelmente, qualidade e educação serão palavras-chave, várias vezes entoadas e a dar definitivamente um tom de marca ao sector.
Já o eram, evidentemente, mas, a partir do Congresso, com renovado ênfase e com alargada dimensão.

2. Ultimamente têm-se vindo a multiplicar as referências às Instituições de Solidariedade e até parece estar na moda tecer-lhes loas ou engrossar campanhas em que elas apareçam como bandeira. E a conclusão parece clara e sustentada: hoje as Instituições de Solidariedade já são conhecidas e reconhecidas e começam a ser olhadas com respeito e apreço porque a elas muito se deve e delas muito mais ainda se espera. Respeito e apreço merecidos e tardios.
O conhecimento e o reconhecimento surgem agora, não tanto porque hoje sejam muitas mais as Instituições ou façam aquilo que ontem não faziam, mas talvez porque, de repente e por várias razões, o mundo parece ter despertado para a sua capilaridade (quase tantas quantas as aldeias deste país, por mais recônditas que sejam), para a sua dimensão (são muitas e muitos os que denodadamente lhe dão expressão, quer como colaboradores quer como dirigentes voluntários) e para a sua capacidade de congregar esforços e engendrar soluções para um sem número de situações (na solidariedade não há problema que não aguce a apetência e estimule o engenho). E parece que quanto mais se faz sentir a decantada e global crise mais olhares se voltam para as Instituições de Solidariedade e mais elas são vistas como solução. Por vezes de recurso, quase sempre de excelência. Para o presente e com futuro.
Terá sido a crise a fazer detonar o clique?
Certamente terá dado a sua ajudinha: em tempo de crise os olhares dos sensatos concentram-se nas réstias de esperança. Mas há muito pairavam por aí ventos a fazer despertar e sinais a indicar uma atenção maior e em crescendo, que pareciam em perfeita consonância com a sensação que emergia no virar do milénio: o século XXI ou será social ou não será…
Afinal, parece estar a confirmar-se que será social. E, portanto, menos economicista e mais humano. Sem recuo.
Quanto mais humano melhor.

3. Como se impunha, a CNIS também deu o seu contributo para esta tomada de consciência sobre a capilaridade, dimensão e capacidade das Instituições de Solidariedade. Não apenas ultimamente. Mas, como lhe competia, também nestes últimos tempos. A própria CNIS, enquanto organização maioritária e representativa do sector e enquanto estrutura de pensamento e liderança, começou a ser conhecida e reconhecida. Ainda bem.
E quando, num Congresso que também é eleitoral, e sem descurar o facto de ser eleitoral, a CNIS propõe uma reflexão sobre “novos caminhos da solidariedade”, adopta uma postura e transmite alguns sinais. São sinais de sentidos bem definidos numa caminhada que só merece ser empreendida quando o humano é a origem, o móbil, a alma e o destino.
Independentemente dos actores que doravante emergirem, a CNIS é chamada a ser um espaço e um modo de liderar e de estruturar com pensamento e dinâmica um sector. Simultaneamente, é chamada a ser uma espécie de consciência ética da comunidade, desafiada a dar mais importância à pessoa do que à propaganda, ao humano do que ao mercado, ao ser do que ao ter.
Neste sentido, o Congresso é luminar no seu lema: apontando a qualidade e a educação como novos caminhos da solidariedade, na solidariedade e para a solidariedade, estará a dar sinais de que o essencial não é nem o assunto nem o conteúdo, mas a perspectiva, a relação e o modo de ser, que cuida e que toma conta, que se envolve e que se deixa envolver, que é e que deixa ser, que cria e que faz crescer.
Uma hora é uma medida, uma bola é um passatempo e um conceito é um instrumento, mas cada pessoa é todo o mundo. São todos os mundos do mundo que a educação tem por mote. Assim, a qualquer momento em qualquer mundo, uma palavra, um gesto ou um olhar pode entrar e não mais sair. Se tivermos sabido ou podido preservar e deixar preservar esses momentos, podemos muito bem tocar não apenas naquilo que no momento estamos fazendo, mas toda uma vida - e isso é verdadeiramente educação. E esse é um toque eficaz de qualidade na solidariedade.

*Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2009-01-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...