CHAMA DA SOLIDARIEDADE

Cavaleira do Asfalto

A cidade engalanou-se! E não se pense que este é um verbo eivado de preciosismo, pois é facto jornalístico, visível a olho nu, a quem se deslocou naquela tarde de fim de Setembro à metrópole dos arcebispos. Porventura, ser véspera de fim-de-semana, terá ajudado à concentração das pessoas, para não falar do tempo ameno e solarengo que banhava as últimas horas do dia.

Na Praça Central de Braga, um palco todo enfeitado reunia à sua volta centenas de pessoas, muitas delas crianças de bonés na cabeça e bata às cores, agrupadas por idades e escolas para não haver enganos. A animação sucedia-se com canções, danças, poemas. Tudo o que a imaginação permitia. O frenesim aumentava à medida que a hora chegava e, de vez em quando, a voz no microfone lá anunciava que estava quase. Os balões amarelos e azuis enfeitavam o espaço já de si bem apetrechado com cartazes identificativos da iniciativa. Vinha de longe e aquela seria a última paragem antes do destino final. Tal qual peregrino, percorrera muitos quilómetros, transportada de mão em mão e encerrando milhares de sonhos e de vontades de quem acredita que ainda é possível mudar o mundo.

“Já está na segunda rotunda, mesmo às portas da cidade”, ouviu-se alguém a dizer num grupo que parecia entendido no assunto. Muitos transeuntes demoravam-se a contemplar tamanha festa onde a palavra de ordem era Solidariedade. Ao longe, começou a ouvir-se uns bombos e uns rugidos ferozes dos cavalos metálicos que agora galopam pelas auto-estradas. “Vem pelo Arco da Porta Nova”, dizia a multidão. Não fosse esta a porta de entrada da cidade, um monumento classificado como património nacional e que marca o momento em que a cidade começou a crescer para fora das muralhas. O som dos bombos aumentava. Cada vez mais forte, mais constante, mais compassado.

Irrompem pela grandiosa arcada, com o porta-bandeira à cabeça, orgulhoso da sua missão. As gentes encostam-se na berma e os lojistas saem à rua para ver quem e o que perturba o costumeiro quotidiano de uma sexta-feira à tarde. Finalmente, surge! Erguida firmemente no ar, eis que surge a Chama da Solidariedade, o motivo de tanta festa. Para espanto da multidão, e não fosse esta porventura a mais religiosa e conservadora das cidades portuguesas, a chama brilha nas mãos de uma freira à pendura de um motard. O grupo barulhento dos cavaleiros do asfalto, montados nas poderosas e reluzentes máquinas de duas rodas, casacos de couro repletos de emblemas e óculos escuros, são agora os guardiões da Chama que atravessou meio país, de Lisboa a caminho de Barcelos.

A irmã, Emília Almeida, religiosa no Centro de Solidariedade da Sagrada Família, em Braga, não desfaz o sorriso orgulhoso que traz no rosto quando passa o testemunho ao homem a cavalo que está incumbido de transportar o símbolo das Instituições Particulares de Solidariedade Social até ao palco que a aguarda.
“Inicialmente nem estava previsto eu pegar na Chama mas, enquanto esperávamos por ela, perguntaram quem é que ia de pendura e, a brincar, respondi que se não houvesse mais ninguém iria eu mesma”, explica Emília Almeida. Mas o gosto pelas motos não é uma imposição do momento, mas já vem de longe. “Desde pequenina que sou uma fã de motos. O meu pai sempre teve moto e eu estava habituada a andar”. O hábito não lhe tirou a vontade e a Chama deu-lhe a oportunidade de reviver antigas memórias. “Estava perante um grupo de jovens que demonstraram muita vontade de ter uma religiosa sentada na mota e para mim foi muito giro, muito agradável”.

A colaboração dos motards foi conseguida através do marido de uma funcionária da instituição de Emília que quis reforçar o grande empenho de toda a gente para que a Chama tivesse honras de Estado quando entrasse na cidade.
Depois dos cavalos metálicos a tocha brilhante foi transferida para os cavalos verdadeiros e no palco, cuidadosamente preparado, foi recebida com grande ovação. Seguiram-se os habituais discursos de quem, por direito, usa o poder do verbo para solenizar o momento. A Praça Central vibrava e a energia contagiante pôs muita gente a dançar.
Certamente, foram muitos os quadros pintados pela Chama nas inúmeras aventuras que viveu, mas em Braga fica registado um dos momentos mais improváveis: Pelo Arco da Porta Nova, de hábito e véu, uma freira de sorriso estampado no rosto, à pendura de um motard transporta a Chama da Solidariedade. Sinal dos tempos?!....

 

Data de introdução: 2008-10-09



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...