Sem lei nem roque

1 - Na Idade Média, alguém que tivesse praticado um crime, se se acolhesse à protecção de uma igreja, ou mosteiro, ou de um senhor feudal, podia escapar à perseguição da justiça do rei, ganhando, enquanto persistisse a situação de protecção, um estatuto de imunidade – e impunidade.

Esse privilégio de furtar os criminosos à punição, de que gozava o clero e a nobreza, correspondia a um tempo de fragmentação do poder público e à sua dispersão pelas várias ordens, ou classes.

O processo de construção do Estado moderno, centrado na unidade do mando e na centralização, no rei, do exercício de todos os poderes, aboliu no entanto esses privilégios, esses feudos, onde de facto se não aplicava a lei do país, nem a sua justiça.

Em Portugal, como se sabe, é o Rei D. João II, dos finais do século XV, que é normalmente apresentado como o momento emblemático dessa centralização do poder real – fazendo, aliás, acompanhar a eliminação dos privilégios da eliminação física dos principais fidalgos.

De então até hoje, tem sido inquestionável o princípio de que a lei do Estado, seja este sob a forma de Monarquia – absoluta ou constitucional - ou República, e a mão da sua justiça, não deixam de fora do seu império a mínima parte do território português.

(A única excepção que conheço é a das instalações das embaixadas, que gozam de alguma imunidade relativamente às manifestações de soberania dos países onde se situam – mas, mesmo aqui, sob a ficção de que aí se não trata verdadeiramente de território do país de acolhimento, mas sim do país representado.

Embora a protecção e imunidade, nestes casos diplomáticos, não seja em regra para criminosos, mas para refugiados ou perseguidos políticos – e traga, portanto, agarrada a si, uma ideia de justiça e de humanidade.

A este propósito, as pessoas de mais idade ainda se lembram de que foi a esta protecção, então na Embaixada do Brasil, que se acolheu o General Humberto Delgado, após as eleições, para escapar à Pide. Evocação ajustada para recordar que, durante o corrente mês de Abril, se cumprem 50 anos sobre a data em que foi entregue no Supremo Tribunal de Justiça, subscrita essencialmente por gente do Porto e do Norte, a candidatura do General Sem Medo à Presidência da República.)


2 – Nos nossos tempos, no entanto, surgem muitas vezes referências, e inferências, normalmente através da comunicação social, a zonas do território português onde não existe lei e onde a polícia não entra.

Trata-se em regra de notícias sobre bairros problemáticos, submetidos ao poder feudal dos chefes do tráfico de droga; ou do mundo da noite, e do domínio sobre esta dos cappos da segurança; e também dos negócios do futebol, com leis e justiça à parte – mas onde não conseguimos detectar nem a figura de olhos vendados nem a balança; para não falar já de tantas instâncias do poder político, onde o tráfico e os interesses bebem mais do arbítrio do Rei D. João II do que da ética republicana da honradez e da força igualitária do voto que é o timbre das democracias.

Estes territórios fora da lei – e outros haverá, de que os leitores se lembrarão – não são exemplos de que nos possamos orgulhar.

São quistos, são tumores, que é dever de todos erradicar – no sentido literal, isto é, arrancar desde as raízes.


3 – A pretexto do recente caso de violência escolar filmada em directo numa escola pública do Porto, vieram os especialistas do costume propor mais uma zona fora da lei – as escolas.

Antes mesmo deste indigno episódio, já o Procurador Geral da República – criticado nestas crónicas algumas vezes – tinha inscrito, entre as prioridades da investigação criminal definidas para o Ministério Público, as situações de violência nas escolas, sob o argumento de que a impunidade da delinquência no espaço escolar potencia criminalidade de maior grau no futuro, e de que às crianças e jovens não faz mal serem corrigidas e sancionadas quando violam as regras – pelo contrário.

O Procurador Geral lembrou ainda que em muitas escolas actuam e impõem a sua lei gangs iguais aos que mandam em certos bairros, estribando do mesmo modo a prioridade por si decidida na ocorrência de múltiplas queixas, participações e notícia de ocorrências relativas a violência escolar existentes nas autoridades judiciárias.

A propósito do vídeo do Youtube, veio portanto lembrar o que era óbvio – que, havendo indícios da prática de crimes, teria de haver inquérito criminal, na medida em que as escolas não são embaixadas, nem os gangs senhores feudais, com lei e jurisdição à parte.

Tem, neste assunto, inteira razão o Procurador Geral da República.

Sabe do que fala: conhece, por dever de ofício, como evolui a criminalidade e como se formam os criminosos, do pequeno delito impune à violência sem quartel; tem números e estatísticas – e veio lembrar que a investigação e perseguição dos crimes, seja lá onde forem cometidos, é com ele.

Foi o que bastou para que a tribo dos “peritos” em ciências da educação e psicólogos que há mais de 30 anos comanda o Ministério e, através dele, a vida das escolas viesse a terreiro exautorar o Procurador e reivindicar a resolução no exclusivo plano disciplinar interno das situações que, para o mundo exterior às escolas, configuram delitos criminais.

Investigação e punição criminal, pelo sistema judicial comum, de factos criminosos praticados nas escolas é que, para essas boas almas, não pode ser.

4 - Ora, punições disciplinares a alunos, pelo Ministério da Educação, já todos sabemos em que consistem.

A propósito do recente vídeo, viemos a saber que, no ano passado, na mesma Escola Carolina Michaelis, a um aluno que o Conselho de Turma e o Conselho Executivo queriam punir com a expulsão, por merecer tal castigo, viera a Direcção Regional de Educação revogar essa decisão e aplicar a pena de transferência para outra Escola. Que era, curiosa e justamente, a Escola para onde o aluno já havia pedido para ser transferido.

Não é difícil imaginar o que pensa que pode fazer impunemente no futuro um aluno que agride um professor e tem como sanção um prémio.

Ora, juntemos num caldeirão:

- o caos das experiências educativas que os peritos em educação, que nada sabem da vida das escolas, em cada ano inventam para justificar a sua existência, e que tem convertido as escolas em viveiros de ignorância;
- a necessidade de o Ministério apresentar resultados estatísticos de sucesso escolar que não deslustrem no contexto europeu – e que é mais uma porta escancarada ao facilitismo e à indulgência perante os comportamentos menos canónicos dos alunos, que sabem que, façam o que fizerem, nada lhes acontece de relevante;
- a desconsideração do estatuto e consideração devidas aos professores, que, por propósito ou por incompetência, tem marcado a actuação do Ministério para com a classe, diminuindo o respeito social que é condição do sucesso do seu trabalho;
- e o modo centralizado de funcionamento da máquina do Ministério, asfixiando as escolas com ordens e contra-ordens diárias, por ofício, por fax ou por telefone, muitas vezes contra a lei em vigor ou com interpretações abstrusas dela, transformando a propagandeada autonomia numa caricatura – como quem anda nas escolas sabe;

e temos o caldo pronto para o disparate.

Como se tem visto.

Ainda bem, portanto, que o Procurador quer entrar nesse paraíso imaginário e perdido e pôr alguma ordem na casa.

Quem não gostar, que vá dar aulas.

*Presidente da Associação Ermesinde Cidade Aberta

 

Data de introdução: 2008-04-09



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...