GNR com formação especializada para apoiar vítimas de violência

A Guarda Nacional Republicana (GNR) vai ter 62 profissionais especializados para ouvir mulheres e crianças vítimas de violência. Comunicação interpessoal, psicologia da criança e do desenvolvimento e entrevistas com menores foram as formações dadas aos agentes durante o primeiro curso de formação nesta área. 

As características psicossociais das vítimas e dos agressores, bem como alguns temas relacionados com criminologia e vitimologia, que estuda a relação vítima/ criminoso fizeram igualmente parte do programa do curso. 

Os voluntários da GNR que receberam este curso vão integrar os Núcleos Mulher e Menor, a funcionar em todas as secções distritais de investigação criminal da GNR. O curso foi ministrado com a colaboração da Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres (CIDM), com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) e com o Instituto de Apoio à Criança. 

Conceição Lavadinho, da CIDM, considera o curso fundamental, uma vez que permite aos formandos entender os ciclos da violência doméstica, no contexto da criança e do adulto, ficando também a conhecer os recursos disponíveis no Segundo Plano Nacional Contra a Violência Doméstica. 

Para Helena Sampaio da APAV, esta iniciativa "tem um impacto positivo no sentido de influenciar outros profissionais da polícia a intervir junto destes grupos" e na medida em que desenvolve competências específicas no apoio a vítimas de violência doméstica.

 

Data de introdução: 2004-10-21



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...