BE

Livro Negro da Pobreza revela mais de meio milhão de pobres no distrito do Porto

A pobreza atinge entre "25 a 30 por cento " da população do distrito do Porto, de acordo com o levantamento efectuado pelo Bloco de Esquerda (BE) "desde há um ano", nomeadamente, junto de "dezenas de instituições de solidariedade social". O resultado final do estudo será o lançamento de um Livro Negro da Pobreza no Porto, que os bloquistas pensam poder apresentar "ainda este mês ou no princípio do próximo mês", segundo anunciou o sociólogo e dirigente daquele partido João Teixeira Lopes.

Dados recolhidos pelo BE levam Teixeira Lopes a caracterizar a situação que se vive no distrito do Porto como "verdadeiramente assustadora e alarmante". De uma população de cerca de dois milhões de pessoas, entre meio milhão a 600 mil são pobres. A taxa de "pobreza relativa" é de 18 por cento a nível nacional, mas no Porto sobe para os "25 a 30 por cento", aponta o BE.

Uma pessoa vive em "pobreza relativa" quando ganha menos de 60 por cento do rendimento médio nacional, o que em Portugal corresponde a 366 euros ou menos por mês. A causa deste problema são "as políticas económicas e sociais dos últimos três anos". "É o que nos dizem as instituições visitadas", afirma Teixeira Lopes.

O dirigente conta que o Banco Alimentar contra a Fome, "que funciona como instituição pivô no distrito do Porto porque fornece alimentos a quase todas as instituições, não consegue dar resposta" às muitas solicitações que lhe são dirigidas. "Mais de uma centena dessas instituições encontra-se na lista de espera" daquela conhecida organização, exemplifica Teixeira Lopes.

Outro dado revelador, acrescenta, é que "no distrito se concentram 45 por cento dos beneficiários do rendimento social de inserção, o que mostra bem a incidência da pobreza na região". São cerca de 56 mil famílias que, no Porto, beneficiam dessa ajuda estatal.

O BE declara-se convicto de que esse número só não é porque "na Segurança Social há uma espécie de barreira à entrada de mais beneficiários, por não haver dinheiro". "Estou absolutamente convencido disto", realça Teixeira Lopes, reforçando que "a Segurança Social tem um numerus clausus". O dirigente bloquista baseia-se nas "instituições, que dizem que a Segurança Social não abre mais vagas".

As principais vítimas da pobreza são os idosos, as famílias monoparentais, em que mães sozinhas tomam conta dos filhos, e os desempregados de longa duração.

08.02.2008

 

Data de introdução: 2008-02-08



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...