Ano Europeu do Diálogo Intercultural

1. “Unidos na Diversidade” é o lema proposto pela Comissão Europeia para 2008, Ano Europeu do Diálogo Intercultural.
O diálogo entre culturas surge como instrumento indispensável na perspectiva de uma aproximação dos povos e dos cidadãos, entre si e entre as culturas subjacentes.
Com a sua promoção, a Comissão visa contribuir para a compreensão mútua e para uma melhor vivência em conjunto. Nesse sentido, explorará as vantagens da diversidade cultural, da diversidade migratória, da participação cívica activa de todos os cidadãos e procurará promover o sentido de pertença.
A promoção do diálogo intercultural aparecerá, então, como instrumento para auxiliar os cidadãos a adquirir conhecimentos e aptidões, que lhes permitam compreender um ambiente mais aberto e mais complexo, e inserir-se na comunidade e nela serem seus verdadeiros construtores activos e comprometidos. Aparecerá, também, como instrumento de apreciação e valorização das várias realidades para que o seu conhecimento favoreça ainda mais a sua promoção e o aparecimento de novas iniciativas.
Eventualmente, com esta iniciativa serão apoiadas expressões de diálogo entre os vários povos europeus e aplaudidas acções que visem o exercício activo da cidadania na certeza de que na causa comum ninguém se deverá alhear da sorte comum e na certeza de que a causa comum nunca será causa comum enquanto grupos ou estados, por mais iluminados ou desenvolvidos que se apresentem, arroguem para si exclusividades, abafando ou ignorando competências e iniciativas, de cidadãos ou de organizações. A realidade para povos britânicos, eslavos, germânicos, latinos ou nórdicos será tanto mais auspiciosa quanto mais diálogo e conhecimento mútuo entre todos eles houver e quanto mais os cidadãos de cada povo se empenharem na própria realidade, simultaneamente como beneficiários e construtores, com as suas necessidades e as suas próprias capacidades.


2. Perspectivar 2008 no “diálogo intercultural”, no que à actividade solidária diz respeito, implica conhecer e assumir a nossa própria realidade, na sua riqueza e na diversidade das suas múltiplas expressões. Implica, também, afirmar inequivocamente a força da nossa realidade solidária, força que está consolidada e tem indesmentível apetência de qualidade e expressões inovadoras. Para a partilhar com outras culturas.
De facto, a realidade portuguesa é uma expressiva e dinâmica cultura da causa solidária: são muitas as iniciativas para marcar a construção de um presente e de um devir mais pleno e mais feliz. São alguns milhares neste país, com suporte em dezenas de milhares de voluntários. Muitas dessas iniciativas têm matriz ou inspiração cristã. E, enquanto tal, são a expressão de uma certa forma de “ver” Deus, intuindo que Ele procura o homem, dele se faz aliado e, amando-o com coração, o vai “salvando” com gestos e dinâmicas de caridade. Essa é uma matriz que as individualiza e que importa ser reconhecida e preservada. Muitas outras são expressões visíveis de ideais sonhados, de experiências vividas, de ânsias alimentadas que fazem engendrar melhores condições, melhores afectos e mais futuro. Umas e outras convivem harmonicamente entre si, e a CNIS é disso expressão visível. Essas iniciativas, harmónicas e organizadas, impõem-se nas comunidades locais, identificando-se, pela proximidade e pelo conhecimento, com as particulares fragilidades delas e dando-lhes satisfação nas formas mais eficazes e mais diversificadas. Algumas dessas dinâmicas são “hoje” obras de “sujeitos da solidariedade” que “ontem” a receberam das instituições, como tradução do reconhecimento e da estima que lhes são devidos.
E a conclusão é expressiva: três quartos das respostas sociais em Portugal são solidários, não lucrativos, e desenvolvem-se em favor de toda a comunidade nacional, independentemente de opções e ideologias. É bem provável que ainda haja algum deficit de conhecimento mútuo entre pessoas e instituições solidárias, o que impedirá a afirmação da sua génese, da sua verdadeira matriz, da sua dimensão e da sua força.
Mas poder-se-á dizer que, entre nós, a cultura da solidariedade se instalou, tem raízes e expressões que se entrelaçam ao longo de toda a comunidade nacional, passa incólume ao lado de debates ideológicos e tem características que a individualizam no contexto europeu.
Por isso espera-se e impõe-se que esta “cultura de solidariedade”, sendo de um povo, enquanto tal, seja partilhada com outros povos. Para um projecto europeu verdadeiramente humanizante.

3. Não o ignoremos: sendo muito significativa a actividade solidária entre nós, não é, porém, uma realidade exclusivamente portuguesa. Em todos os povos europeus há actividade solidária e voluntária. Contudo, nos outros países enfrenta desafios diferentes e tem dinâmicas e especificidades próprias. Abandonar a nossa realidade ou deixar que a abafem seria indesculpável estultice. Imitar o que os outros fazem sem um exercício de interpretação também não será ajustado. Como incongruente será ignorar o como os outros sonham, o como os outros querem e são e o como os outros realizam.
O “ano europeu para o Diálogo Intercultural” é uma oportunidade e um desafio que nenhum de nós pode ignorar. Nem a comunidade nacional, que algo tem dado à Europa e muito dela tem recebido, nem, muito particularmente, quantos com entusiasmo e competência se dedicam à actividade social solidária.
Para a CNIS e para as Instituições de Solidariedade, o “ano europeu do Diálogo Intercultural” pode e deve ser uma oportunidade de se “fazerem ao largo” para ver e ouvir o que pessoas e instituições de outras culturas em outras comunidades fazem.
Assumindo e afirmando o que somos daremos o nosso contributo a outros. Ouvindo e vendo o que outros fazem, melhoraremos e enriqueceremos ainda mais a nossa realidade.
E as pessoas, todas as pessoas, beneficiarão...

* Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2008-01-06



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...