SALA DE CONSUMO ASSISTIDO DE BILBAO

Uma réstea de humanidade para os doentes da droga

O consumo de drogas de forma viciada tornou visível uma enfermidade a que já não é possível ficar alheio. Os toxicodependentes já não são invisíveis. Deambulam, sobretudo, pelas cidades repetindo circuitos entre o ponto de tráfico das drogas, o sítio em que a consomem e os locais onde arrecadam o dinheiro para as comprar. É uma via sacra de urgência para aplacar o vício que destrói o corpo por dentro.
Em Lisboa, no Porto, nas cidades do interior, o caudal dos dependentes, um novo tipo de pobres, vai engrossando à vista de toda a gente. Em Portugal há várias estratégias de combate que vão desde a distribuição de preservativos e seringas, pelas inúmeras equipas de rua, até ao internamento em clínicas de desintoxicação e recuperação, de custos exorbitantes para as famílias e de baixa eficácia. Pelo meio há o programa de substituição de opiácios feito através do fornecimento de metadona que funciona nos conhecidos CAT’s (Centro de Atendimento a Toxicodependentes).

Entre o alheamento social até à proibição são muitas as atitudes políticas perante o flagelo das drogas.
O exemplo que reportamos aqui no Solidariedade refere-se a uma resposta social que tem sido muito discutida em Portugal mas que nunca foi experimentada. Trata-se de uma sala de consumo assistido em Bilbao, cidade basca espanhola, que pode constituir um caso de referência. Destina-se a fazer face à evidência. É um recurso para melhorar a qualidade de vida das pessoas que estão dependentes das drogas (por via intra-venosa, fumada ou “snifada”) e que se encontram em situação de risco e/ou exclusão social. É uma forma de dar alguma humanidade àqueles que já não se importam de serem vistos a injectar-se no vão dos prédios, nas lixeiras ou na rua; que não se importam da higiene pessoal; que não se importam com as doenças que contraiem, por utilizarem seringas de outros; que não se importam do local onde dormem; enfim, dos que não se importam com nada desde que consigam a dose seguinte.

Uma sala de consumo assistido no meio da cidade

Bilbao tem mais ou menos o mesmo número de habitantes que a cidade do Porto. E problemas com a droga como todas as cidades. A zona de tráfico mais intenso situa-se no centro na parte mais antiga, nos bairros de Bilbao la Vieja e S. Francisco, zona de comércio, de imigração, e diversão nocturna.
Foi nesta zona problemática que, em 2003, os Médicos do Mundo instalaram uma sala de consumo assistido de drogas ilegais. Em Espanha, onde há seis dispositivos destes, é a única que se situa no centro histórico de uma cidade. José Júlio Pardo, Presidente dos Médicos do Mundo do País Basco justifica esta opção com a proximidade aos locais de tráfico: “É uma zona onde os vizinhos estavam habituados a ver o movimento de gente a consumir por todo o lado”.

A forma de vencer a resistência dos vizinhos e a reserva dos políticos foi envolvê-los na concepção e na implantação do projecto. Todas os partidos foram convidados a visitarem a sala ainda antes dela abrir; foram realizadas inúmeras reuniões com os vizinhos. Não foi fácil. “A princípio havia medo”, recorda Jesus Coltroviejo, representante dos vizinhos da sala de consumo de Bilbao. “Esta é uma zona que é uma espécie de porta de entrada para a zona mais marginal. Todos tinham medo que houvesse uma acumulação de toxicodependentes. Com o passar do tempo a mudança de atitude foi absoluta.”

Num edifício residencial no centro histórico de Bilbao, os Médicos do Mundo ocuparam os dois andares inferiores, reservando a cave para a sala de consumo. A entrada faz-se por uma porta lateral, discreta, que está normalmente fechada mas que se abre muitas vezes ao dia. “Esta sala está aberta a todos os consumidores de droga, entre aspas, que são ilegais. No início foi feito um estudo que dizia que havia 600 pessoas consumidoras. Neste momento já temos 1 700 histórias e temos aberto cerca de 400 novas histórias por ano”, explica José Júlio Pardo.

Até às onze e meia da manhã de todos os dias até às seis da tarde, os oito técnicos contratados e alguns voluntários com experiência repõem o stock de material. Tudo o que é necessário para o consumo, desde as seringas ao ácido cítrico, produtos alimentares e de higiene, material de uso médico. Só a droga não é fornecida, vem dos sítios do costume comprada pelos utilizadores do mesmo modo. Não há letreiros de localização, o boca-a-boca já funcionou plenamente. Toda a gente sabe que por aquela porta se entra para um local onde se pode consumir drogas em total segurança.
Se for a primeira vez tem que responder a um questionário minucioso; despojar-se de tudo o que possa constituir ameaças para si e para os outros. E esperar a vez de consumir. Há um limite de seis pessoas ao mesmo tempo em cada local.

A sala de consumo assistido de Bilbao tem regras rígidas de segurança e higiene e os frequentadores aceitam-nas sem resistência. “Isto não é uma sala de chuto. Uma sala de chuto é um local onde alguém vem para se injectar e se vai embora. O que temos aqui é uma sala de consumo assistido. Fazemos trabalhos com eles. Por exemplo, se estão à espera pela sua vez de consumir ou já depois do consumo, nós pomos em prática aquilo a que chamamos de escuta activa. Se têm problemas eles contam-nos e nós tentamos ajudá-los.”

Por dia há cerca de 70 pessoas diferentes a consumir. Muitos consomem várias vezes ao dia. Na grande maioria são homens, com uma idade média de 37 anos e longas carreiras de consumo, de 16 a 20 anos de uso de drogas, por diversas vias. Perto de metade da população frequentadora padece de hepatite C e cerca de 20% é portadora do vírus HIV. Em 2006, as mulheres, com uma idade média de 34 anos, representavam 17% dos utilizadores.

A sala tem um aspecto limpo, agradável e ordeiro. O movimento de toxicodependentes não pára. Depois de fumar, inalar ou injectar a cocaína, a heroína ou a mistura das duas cada utilizador tem que permanecer durante 15 minutos antes de sair ou voltar a consumir. É nessa altura que podem acontecer as overdoses. Na sala para além de psicólogos e assistentes sociais há enfermeiros. Um médico está sempre de prevenção.
Ao todo foram reencaminhados para tratamento perto de 400 toxicodependentes. O presidente dos Médicos do Mundo do País Basco sublinha que já se notam alguns resultados: “Estamos a constatar que desde que começamos este trabalho muitos mudaram a forma de consumo. Passaram da injectada para a fumada. Quando abrimos esta sala o que pretendíamos era que eles viessem para que tivéssemos possibilidades de falar com eles e de poder ajudá-los a que deixassem esta vida. Se estão na rua a consumir muito dificilmente chagamos até eles. Aqui há mais hipóteses.”

A sala de consumo assistido de Bilbao proporciona ao utilizador um espaço para o consumo de diferentes tipos, encontro e convívio social, serve para tomar uma bebida ou uma refeição ligeira e é também sala de realização de actividades e ateliers. O acompanhamento é feito com técnicos de diferentes áreas que vão dando crédito aos relatos das necessidades de ordem sanitária, social, psicológica, familiar. É uma recuperação da auto-estima e ao mesmo tempo uma abordagem para um possível encaminhamento para serviços de saúde, centros de tratamento de toxicodependências, serviços sociais, centros de atendimento psicológico e/ou psiquiátrico. A sala de consumo assistido de Bilbao tem protocolos com os hospitais, unidades de doenças infecto-contagiosas, com os serviços de urgência e com a polícia. Das actividades correntes fazem parte ateliers sobre pintura, saúde, sexo, prevenção…

Para manter a manter a funcionar são precisos 400 mil euros por ano, assegurados por fundos europeus, governo basco, governo central e ajudas de diferentes ministérios. As seringas, os preservativos, ácido cítrico, lubrificantes, papel de alumínio, amoníaco, elásticos, tudo o que é indispensável ao consumo é gratuito. Oito técnicos especializados fazem parte do quadro permanente, sendo reforçados com voluntários com experiência em toxicodependência, cuidados de saúde e formação médica. A sala dispõe de uma zona de trocas de seringas, espaços de acolhimento, sala de enfermaria, zona de higiene com banhos completos, escritório, sala de injecção e sala de inalação.
São muitas as razões que os consumidores, que assumem o vício das drogas ditas duras, encontram para se deslocarem até à sala de consumo. Uma delas é sem dúvida a proximidade dos locais onde se abastecem. Antigamente consumiam à vista de todos para desespero dos moradores e transeuntes. Agora adquiriram o hábito de tocarem à campainha com a certeza de que a porta se abre para um consumo recatado e seguro.

“Porque é mais higiénico”, diz Julene Expósito, uma toxicodependente de heroína. “Nunca mais fumei na rua”. A seu lado o namorado, também consumidor costumeiro, refere a exclusão social como principal factor: “Tratam-nos como pessoas. Dão-nos informação, dizem-nos sítios para ir para tratamento, dão-nos alimentos. Há muita gente que nos olha por cima do ombro. Somos pessoas como os outros. É uma doença que é preciso tratar”, assevera José Luís. “Não temos que andar a fugir da polícia nem corremos o risco de nos roubarem a droga”, acrescenta outro frequentador.

Ao cabo de quatro de actividade da sala de consumo assistido de Bilbao, reduziu-se o consumo a céu aberto nas ruas circundantes; verificou-se uma diminuição da pequena delinquência; conhece-se o nível de saúde da população toxicodependente; diminuiu-se o perigo de contágio das doenças infecciosas como a Sida as hepatites B e C; aumentou a sensação de segurança geral e os toxicodependentes ganharam uma réstea de humanidade. José Júlio Pardo, presidente dos Médicos do Mundo do País Basco não tem ilusões: “Solução? Não. Isto não é solução. Esta é terceira fase de um programa de redução de danos e riscos. Começou com a distribuição de preservativos, depois com a troca de seringas, mas as pessoas continuavam a consumir na rua. Isto não é solução…mas é alguma coisa.”

 

Data de introdução: 2007-09-08



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...