O Banco Central Europeu, a estabilidade de preços e o crescimento

Todos conhecemos os resultados da revisão da Estratégia de Lisboa ocorrida há um ano atrás e em que foram fortemente direccionados para o crescimento e o emprego todos os objectivos estratégicos definidos em Março de 2000 em Lisboa em que se pretendia que a Europa fosse em 2010 a economia mais competitiva do mundo, com base numa economia do conhecimento, coesão social e pleno emprego.

Várias críticas têm sido feitas ao Banco Central Europeu (BCE) pelo facto de a sua principal preocupação ser a 'estabilidade dos preços (controle da inflação)' em vez de incluir também nas suas mensagens sinais em favor do crescimento económico. Com efeito, há alguns meses o BCE aumentou em 0.25 pontos a taxa de juro de referência exactamente com o objectivo de parar algum aquecimento na economia com tendência para o aumento da inflação tendo esta medida tido o efeito de refrear esse aquecimento através da contenção do consumo e do investimento por tornar o dinheiro mais caro. Esta situação é particularmente gravosa para Portugal e os portugueses por razões conhecidas.

A questão coloca-se então ? é assim tão importante a estabilidade dos preços ? justifica-se numa conjuntura de tímido crescimento económico na zona euro o controle tão rígido da inflação pelo BCE travando a expansão do crescimento que geralmente gera acréscimos de inflação?
Vamos reflectir sobre alguns exem-plos simples e acabamos por dar razão à política seguida pelo Banco Central Europeu, isto é, a luta acérrima pela estabilidade dos preços na União Europeia.
O valor da confiança na moeda

Se por exemplo um amigo nosso nos pedir 100€ emprestados com promessa de nos pagar dentro de três meses, nós sabemos que, se a estabilidade dos preços se mantiver, ao fim dos três meses podemos ter a certeza de que com a mesma quantidade de moeda poderemos adquirir uma quantidade idêntica de bens ou serviços que podemos adquirir hoje, portanto, temos confiança na moeda e não teremos quaisquer reservas de emprestar o dinheiro ao amigo. Contudo, se o dinheiro perdesse valor de forma considerável então nós deixaríamos de ter confiança.
Uma moeda tem valor se as pessoas tiverem confiança nela.
Existe estabilidade de preços quando o nosso dinheiro mantêm o seu valor ao longo do tempo, e isso é muito importante quando também queremos poupar dinheiro para comprar qualquer coisa mais tarde. Imaginemos se ao emprestarmos os 100€ hoje, tivéssemos a ideia de que quando o recebêssemos o seu valor de compra seria muito inferior, certamente iríamos colocar condições especiais que nos garantissem no futuro, pelo menos um mesmo valor de aquisição que esses 100€ têm hoje.

A inflação, a deflação e estabilidade dos preços

A inflação é um aumento do nível geral dos preços. Em termos muito simples a inflação pode surgir quando existe uma quantidade excessiva de moeda em relação aos bens disponíveis. Os aumentos dos preços podem tem várias razões, por exemplo, por escassez de um produto ou por a sua produção passar a custar mais caro, etc. No entanto, só podemos falar em inflação se o aumento dos preços ocorrer num conjunto de produtos incluídos num "cabaz de compras" e não apenas em relação a um produto.
A deflação pode ser definida como sendo o oposto da inflação, isto é, como uma situação em que o nível dos preços desce ao longo do tempo. Pode ser o caso de uma procura de bens e serviços reduzida, que força as empresas a venderem os seus produtos a preços mais baixos.
Os preços são considerados estáveis se, em média, não subirem nem descerem ao longo do tempo, por um período de um ou dois anos.

A estabilidade dos preços promove o crescimento económico e o emprego, .... ao tornar mais fácil comparar os preços

Os preços estáveis facilitam a sua comparação e, por conseguinte, a decisão sobre que bens ou serviços comprar. Quando os preços estão estáveis podemos facilmente verificar se o preço do último modelo de calças de ganga aumentou em relação ao preço do modelo mais recente de sapatos. Isto significa que, como consumidor, podemos tomar melhores decisões sobre o que comprar com o nosso dinheiro.
De igual modo, as empresas podem tomar decisões de investimento mais informadas. Os recursos podem ser distribuídos da forma mais produtiva e o potencial produtivo da economia aumentará.
Quando há inflação ou deflação, os preços de todos os bens sofrem variações significativas e frequentes, de forma imprevisível. Como resultado, é difícil avaliar se a alteração do preço de um produto o torna mais barato ou mais caro em relação a outros. Consequentemente, as empresas e os consumidores podem interpretar mal as variações nos preços e cometer erros nas suas decisões de compra, o que, por seu lado, conduz a uma utilização improdutiva dos recursos.

…. ao reduzir os custos da obtenção de dinheiro a crédito

Quando os preços são estáveis, os detentores de poupanças e os credores estão dispostos a aceitar taxas de juro mais baixas, dado que esperam que o valor do seu dinheiro permaneça igual por períodos mais longos. Caso contrário, iriam querer uma garantia contra a incerteza quanto ao valor futuro do seu dinheiro e passariam a exigir taxas de juro mais elevadas para os seus depósitos e empréstimos.
Como resultado, os devedores beneficiam de taxas de juro mais baixas implicando custos de endividamento mais baixos e deste modo encorajam as empresas a investirem contribuindo para um aumento da sua competitividade e criar postos de trabalho adicionais. Esta é outra razão por que preços estáveis são um contributo tão importante para o crescimento económico e o emprego.

Os aspectos sociais da estabilidade dos preços

A estabilidade dos preços é também fundamental para a estabilidade social. Numa conjuntura de inflação os preços têm tendência a variar de forma imprevisível o que pode acarretar perdas consideráveis para as pessoas, por exemplo, a inflação pode reduzir o valor das suas poupanças. Regra geral, os grupos mais desfavorecidos da sociedade são os que frequentemente mais sofrem com a inflação, dado que as possibilidades que têm para se protegerem são limitadas. Historicamente, taxas de inflação elevadas deram muitas vezes origem a instabilidade social.

O Eurosistema - guardião da estabilidade dos preços

O Banco Central Europeu e os bancos centrais nacionais da zona euro, em conjunto, formam o Eurosistema, o sistema de bancos centrais da zona do euro. O principal objectivo do Eurosistema é manter os preços estáveis em toda a área do euro, isto é, manter uma taxa de inflação anual num nível muito baixo, inferior mas próximo dos 2% no longo prazo. O seu instrumento é a taxa de juro que vai manipular para cima ou para baixo de forma a manter a estabilidade dos preços no longo prazo.


Após esta reflexão muito simples esperamos ter conseguido mais apoio para o Banco Central Europeu e para a sua política monetária de controle da inflação e em favor da estabilidade dos preços, isto porque, a própria estabilidade, como vimos, é geradora do crescimento económico sustentável.

* Economista. Representante da CNIS no Comité Económico e Social Europeu

 

Data de introdução: 2006-05-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...