ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Médio Oriente: os perigos de uma guerra psicológica

Nos últimos dias, têm sido frequentes as notícias relativas ao Médio Oriente, e em particular as que dizem respeito ao conflito entre Israel e o Irão. As mais recentes dessas notícias referem-se à utilização e ao lançamento de mísseis pelo exército israelita e pelas forças do Hezbollah. O governo de Telavive assume claramente a autoria de alguns dos lançamentos que lhe são atribuídos, e justifica-os como resposta aos ataques ou ameaças de ataques semelhantes, da responsabilidade do Hezbollah, o grupo extremista muçulmano que actua no território do Líbano e da Síria, em nome e com o apoio do Irão. O actual conflito que ameaça a Paz no Médio Oriente trava-se pois entre estes dois países: Israel e o Irão.

Pode dizer-se que estamos a assistir a uma guerra de palavras, ou se quisemos, a uma guerra psicológica. Trata-se de ameaças que, pelo menos da parte do Hezbollah, servem para manter acesa a chama do ódio contra o seu inimigo histórico, ao mesmo tempo que fortalece o ânimo de um povo que precisa de acreditar, contra toda a história recente, que é possível vencer os judeus. Da parte de Israel, o governo de Netanyahu sente-se obrigado a honrar o velho princípio judaico do “olho por olho, dente por dente”, um princípio que todos os seus líderes têm observado do longo do tempo. Ainda por cima, não falta muito para se realizarem eleições e, neste cenário, nenhum líder político israelita pode dar sinais de fraqueza face aos inimigos tradicionais do país. Trata-se de um cenário que favorece portanto os chamados os falcões e o líder do governo de Jerusalém sabe disso. 

De qualquer modo, o actual conflito não deve ultrapassar, pelo menos nos próximos tempos, o nível das ameaças verbais. Nem Israel nem o Hezbollah têm intenção de iniciar um conflito cuja gravidade arrastaria certamente para o campo de batalha as forças do Irão e dos Estados Unidos, que são os verdadeiros guarda costas dos dois inimigos em confronto. Assim, e para já, israelitas e muçulmanos vão-se contentando com uma guerra verbal que serve ao menos para satisfazer o orgulho patriótico de dois povos inimigos. Apesar disso, há razões para temer pelo futuro da Paz no Médio Oriente, uma Paz que só será definitiva, se for fundamentada no respeito pela História e pela Justiça.

Mesmo sabendo que, de momento, as ameaças à Paz são predominantemente de carácter verbal e psicológico, qualquer acontecimento, mesmo que inesperado, pode despoletar uma guerra a sério naquela região do mundo. E as hipóteses de isso acontecer parecem cada vez mais próximas, e uma guerra psicológica no chamado Médio Oriente é sempre uma guerra que pode não se ficar por palavras e ameaças…

 

 

Data de introdução: 2019-09-11



















editorial

Alta clínica sem alta social

Um dos aspetos que, desde há vários anos, vem sendo identificado como prejudicando a melhor afetação dos recursos alocados ao funcionamento do SNS consiste no facto de existir um número muito significativo de pessoas que, após um...

Não há inqueritos válidos.

opinião

OPINIÃO DE MARIA JOÃO QUINTELA

Contra a eutanásia
Múltiplas entidades vêm promovendo, desde há vários anos, a formação para profissionais de saúde que lidam com as matérias ligadas ao envelhecimento,...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A política no nosso tempo
O mundo em que vivemos é muito diferente do que foi noutras eras. Hoje, o mundo é mais complexo, mais contestado, mais competitivo, mais diversificado e muito mais dinâmico, já...