HENRIQUE RODRIGUES

Votos de boa saúde!

1 - As questões ligadas à Saúde Pública teimam em não abandonar o centro do debate da actualidade política, polarizadas em volta de dois tópicos essenciais: a discussão, em sede parlamentar, das diversas propostas de Lei de Bases da Saúde e a continuação, nos mesmos moldes cirúrgicos, da greve dos enfermeiros.

(Há e tem havido outras greves no sector da Saúde, como as dos médicos e dos técnicos de diagnóstico e terapêutica, mas a greve dos enfermeiros, por várias idiossincrasias que a têm marcado, alcandoraram-na ao lugar cimeiro das preocupações do País.)

Já aqui tive ocasião de escrever sobre ambos os temas, mas, nos tempos mais recentes, designadamente durante o último mês, as duas principais personalidades da vida pública portuguesa, o mesmo é dizer, o Presidente da República e o Primeiro-Ministro, vieram a terreiro, vieram à liça, com posições públicas atípicas, cada um sobre cada qual dos dois referidos temas.

É essa participação atípica – e atópica – que merece o regresso a algumas digressões sobre o assunto nesta crónica, logo no mês seguinte a uma outra em que tratei da Lei de Bases.

Comecemos por ordem de importância constitucional – logo, pelo Presidente da República, que entendeu lançar um aviso público aos partidos parlamentares, prevenindo que a promulgação presidencial da Lei de Bases da Saúde exigiria a sua aprovação na Assembleia da República por uma maioria reforçada, designadamente pelos partidos que costumam revezar-se ao leme da coisa pública: PS e PSD.

Trata-se de uma posição insólita, solitária e ao arrepio do que tem sido a prática presidencial neste domínio.

Como se sabe, sempre que inquirido sobre as suas preferências em relação a projectos ou propostas de diplomas legislativos, o Presidente da República, invariavelmente, tem reafirmado a sua prática de esperar pela entrega do diploma em Belém, para depois se pronunciar sobre ele.

A doutrina presidencial sobre tais procedimentos tem sido, com efeito, a recusa em contaminar o debate partidário com as suas próprias opiniões e de apenas se pronunciar sobre propostas legislativas a final, revestido da autoridade de ser o titular único da competência para promulgar.

Também o Primeiro-Ministro abandonou, episodicamente, o tom cordato, que lhe adveio da sua participação duradoura nos debates da Quadratura do Círculo, para classificar como “greve selvagem” e “greve ilegal” a greve dos enfermeiros.

(Nunca tinha pensado nisto antes … mas, com efeito, é perturbador percebermos que as duas principais figuras da nossa vida pública, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa, atingiram o grau de notoriedade, que constituiu condição de acesso às funções que hoje desempenham, a partir da sua longeva exposição mediática, televisiva.

Dando assim razão à antevisão feita por Pinto Balsemão, há muitos anos, quanto às virtualidades das televisões em fazerem “vender” aos consumidores qualquer produto – mesmo o Presidente da República.)

 

2 – Como se sabe, existem, como alternativas matriciais, relativamente à Lei de Bases da Saúde, duas propostas: uma, subscrita por alguns elementos do PS, pelo PSD e pelo CDS, a partir do Grupo de Trabalho nomeado pelo Governo, liderado por Maria de Belém Roseira – que poderíamos designar como proposta do “Bloco Central” e que replica, em grande medida, a Lei de Bases actualmente em vigor; outra, elaborada por António Arnaut e João Semedo, apresentada pelo Bloco de Esquerda e que concita o apoio deste partido, do PCP e da outra metade do PS – proposta que proclama a ambição do retorno do SNS à sua feição originária.

Não está aqui em causa saber da minha preferência; já a referi em outras ocasiões.

Do que se trata é da opção de Marcelo Rebelo de Sousa pela proposta apresentada pela sua adversária vencida na corrida presidencial.

(A este propósito, e “a vol d’oiseau”, quase se poderia também aqui ser tentado a uma sobreposição; os socialistas apoiantes de Maria de Belém Roseira na candidatura a Presidente da República são os agora apoiantes da sua proposta de Lei de Bases; e os apoiantes de Sampaio da Nóvoa apoiam a proposta de Arnaut e Semedo.)

A estranheza pela inovação da prática presidencial não reside só na pronúncia preventiva do Presidente e na espécie de pressão sobre o Governo e o Parlamento que suscita.

É que os motivos invocados não colhem.

Marcelo Rebelo de Sousa estriba-se no alegado entendimento de que leis com a importância da Lei de Bases da Saúde, ou outras estruturantes da nossa vida colectiva, deverão ser objecto de um consenso alargado, de um lado e do outro do espectro partidário, dentre os partidos com possibilidade de acederem ao Governo – a fim de evitar que eventuais mudanças de maiorias políticas, com tradução na formação de Governos, conduzam a revogações ou alterações profundas de tais leis, sempre que o Governo mude de cor.

É que esse fenómeno, pelo menos no que à Lei de Bases da Saúde respeita, simplesmente não se tem verificado.

A actual Lei foi aprovada, em 1990, por uma maioria de direita e alterada em 2002 por uma maioria idêntica – e, quer Guterres, quer José Sócrates, conviveram amenamente com ela quando governaram.

São quase 30 anos em vigor … pelo que se não compreende a motivação de Marcelo para a ameaça que dirigiu directamente aos deputados e ao Governo, sobre maiorias conjunturais.

 

3 – Compreende-se que o chefe do Governo, na sua condição de responsável pelos destinos do País e pela provisão aos cidadãos do leque de direitos constitucionalmente atribuídos – e também os direitos sociais, como o direito à saúde -, se sinta incomodado com os efeitos da greve dos enfermeiros e com os danos que a mesma tem causado a muitos doentes, que têm visto adiadas intervenções cirúrgicas necessárias e já previstas e marcadas.

As greves causam sempre danos a terceiros – seja o patrão clássico, de chapéu de coco, charuto e limousine, sejam os patrões modernos, gestores de topo, disputados pelas empresas estrangeiros (pelo menos, é o que nos dizem para explicar os salários sibaritas que recebem!), sejam os trabalhadores que ficam sem transporte para o emprego, sejam os doentes a quem atrasam os tratamentos …

Nessa medida, percebe-se que o chefe do Executivo, que é o patrão dos trabalhadores da Administração Pública - ainda para mais, diferentemente do que sucede com os demais patrões, eleito por sufrágio universal, e também pelos cidadãos afectados pelas greves nos serviços públicos -, se sinta desconfortável com a greve dos enfermeiros e com o impacto público dela.

Ainda por cima, esta greve é praticamente restrita aos serviços de saúde do Estado.

Claro que o direito à saúde de cada um precede, na ordem dos direitos dos cidadãos, o direito à greve.

Mas existem ambos, todavia.

Assim, se entram em colisão esses dois direitos, o que há a fazer é compatibilizar o exercício simultâneo de um e outro, de forma proporcionada, como manda a lei – e existe lei a mandar isso mesmo.

E alargar os serviços mínimos, ou levar por diante a requisição civil, se houver fundamento.

Ora, o Primeiro Ministro, além de patrão da Administração Pública, é também titular do Poder Executivo e, em certa medida, do Legislativo.

Diferentemente dos outros patrões, pode ele próprio efectuar a requisição civil – se a greve, como ele afiança, for selvagem e ilegal.

O que não pode é classificar a greve como ilegal e selvagem – e ficar quieto.

(… Embora não calado, como sucedeu.)

A não ser que o Governo se prepare para fazer com esta greve o que tem feito com a dos professores: provocando, pela linguagem hostil e pela inércia negocial, de par com os prejuízos e os incómodos efectivos na população, a rejeição generalizada pelos cidadãos das razões desses grupos de trabalhadores, com a finalidade de fazer render essa pose de aparente firmeza.

Render em votos, naturalmente … que é do que todos andarão à procura durante o ano.

 

Henrique Rodrigues – Presidente do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2019-02-06



















editorial

COOPERAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

Estabelece a nossa Constituição o parâmetro normativo aplicável às IPSS, que se traduz, por um lado, no seu direito ao apoio do Estado e, por outro, na sua sujeição à fiscalização estadual.

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

As consequências de um referendo
Não obstante as dúvidas que se levantam muitas vezes quanto à observância de todas as normas que devem regular os referendos, estes são sempre uma das expressões...

opinião

MANUELA MENDONÇA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA GERAL DA CNIS

Até sempre!
Decorridos pouco mais de 12 anos sobre a minha primeira participação na Direcção da CNIS, posição seguida de outros lugares de menor relevo e que culminou com dois...